Mercado abrirá em 4 h 35 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,08
    +1,90 (+2,87%)
     
  • OURO

    1.788,20
    +11,70 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    57.234,38
    +816,06 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.475,22
    +32,44 (+2,25%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.731,26
    +256,00 (+1,09%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.388,00
    +237,50 (+1,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3878
    +0,0178 (+0,28%)
     

Diesel da Petrobras sobe 9% e acumula alta de 65% no ano; gasolina avança 7%

·2 min de leitura

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras elevará o preço médio do diesel nas refinarias em 9,15% e o da gasolina em 7,05%, a partir de terça-feira, refletindo parte da elevação do barril do petróleo no mercado internacional e da taxa de câmbio, afirmou a companhia em comunicado à imprensa nesta segunda-feira.

Com os ajustes, o diesel --combustível mais comercializado do país-- passará a ser vendido às distribuidoras a 3,34 reais por litro, acumulando uma alta de 65% neste ano até o momento, segundo cálculos da Reuters a partir de dados da companhia.

Já a gasolina passará a ser comercializada a 3,19 reais por litro, acumulando avanço de 73% no ano.

Na nota, a empresa afirmou que "reitera seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos, das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais".

A Petrobras destacou ainda que o alinhamento de preços ao mercado internacional se mostra especialmente relevante no momento que vivenciamos, com a demanda atípica recebida pela Petrobras para novembro de 2021.

Na semana passada, a empresa havia informado ao mercado que não poderia atender todos os pedidos de fornecimento de combustíveis para o próximo mês, que teriam vindo acima de sua capacidade de produção, acendendo um alerta para distribuidoras, que apontaram para risco de desabastecimento no país.

Como o país não tem capacidade para produzir toda a demanda interna, parte do abastecimento depende das importações.

A companhia frisou que os reajustes anunciados nesta segunda-feira "são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras".

"Os ajustes refletem também parte da elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo, impactados pela oferta limitada frente ao crescimento da demanda mundial, e da taxa de câmbio", disse a empresa.

O repasse dos reajustes da Petrobras para os consumidores finais, nos postos, não é imediato e depende de uma série de questões, como margens da distribuição e revenda, mistura obrigatória de biocombustíveis, além de impostos.

Em nota a clientes, o Credit Suisse afirmou ver como positivo o anúncio e disse que os reajustes reduziram a defasagem dos valores frente à paridade de importação, que nos cálculos do banco está agora em cerca de 11% para ambos os combustíveis.

(Por Marta Nogueira no Rio de Janeiro; reportagem adicional de Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos