Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.427,14
    -60,15 (-0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Dieese estima que salário mínimo deveria ser de R$ 6.388,55

Levantamento constatou que os preços médios da cesta básica foram menores em 10 das 17 capitais pesquisadas entre junho e julho (Getty Creative)
Levantamento constatou que os preços médios da cesta básica foram menores em 10 das 17 capitais pesquisadas entre junho e julho (Getty Creative)
  • Salário mínimo necessário para manter uma família de quatro pessoas no mês de julho deveria ter sido de R$ 6.388,55

  • Dieese calcula o valor do salário mínimo ideal com base na cesta básica mais cara do país

  • No mês de julho, a cesta mais cara foi registrada em São Paulo, no valor de R$ 760,45

Um estudo feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) concluiu que o salário mínimo necessário para manter uma família de quatro pessoas no mês de julho deveria ter sido de R$ 6.388,55. Esse valor equivale a 5,27 vezes o salário mínimo atual, que é de R$ 1.212.

O Dieese calcula o valor do salário mínimo ideal com base na cesta básica mais cara do país. No caso do mês de julho, a cesta mais cara foi registrada em São Paulo, no valor de R$ 760,45.

O levantamento também constatou que os preços médios da cesta básica foram menores em 10 das 17 capitais pesquisadas entre junho e julho, no entanto, todas as cidades no ano e também nos últimos 12 meses registraram alta.

As reduções mais expressivas nos preços das cestas básicas foram em Natal (-3,96%), João Pessoa (-2,40%), Fortaleza (-2,37%) e São Paulo (-2,13%). Já as cidades que registraram alta nos preços foram Vitória (1,14%), Salvador (0,98%), Brasília (0,80%), Recife (0,70%), Campo Grande (0,62%), Belo Horizonte (0,51%) e Belém (0,14%).

O salário mínimo se encontra em seu momento mais fraco dos últimos 15 anos. Atualmente com um valor de R$ 1.212, desde 2007 ele não apresentava um poder de compra tão baixo, de acordo com um outro levantamento do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

A pesquisa, que analisa o valor do salário mínimo em relação aos produtos da cesta básica, demonstrou que hoje em dia o salário mínimo é capaz de comprar apenas uma cesta e meia (1,5). Em comparação, desde 2009 o piso nacional era capaz de comprar duas cestas básicas.

Dentre os motivos para essa piora econômica no bolso do trabalhador brasileiro estão o aumento no preço dos produtos que compõem a cesta básica, definidos por lei em 1932. Só no último mês vimos aumento no leite, na manteiga, pão francês, feijão, café em pó, batata e na farinha de trigo.