Mercado fechado

Dias de angústia em um hospital de Wuhan, na China, epicentro da epidemia

Por Sébastien RICCI, Sebastien Ricci and Leo Ramirez
Pessoas esperam para serem atendidas pela equipe médica (de costas) em roupas de proteção no Hospital da Cruz Vermelha de Wuhan, na cidade chinesa no epicentro da epidemia de coronavírus

Presos em uma cidade isolada do mundo, os habitantes de Wuhan esperam angustiados em um hospital desta metrópole chinesa os resultados dos testes que podem revelar a contaminação do coronavírus.

Vários habitantes de Wuhan, na província de Hubei, procuram os hospitais locais, para verificar sua temperatura corporal, ou já chegam com febre. Até agora, a epidemia deixou 26 mortos e contaminou cerca de 830 pessoas. A maioria dos afetados é desta região.

As ruas da cidade estavam vazias nesta sexta-feira (24), depois que as autoridades ordenaram a seus habitantes que permaneçam em Wuhan. Eventos foram suspensos, e alguns lugares públicos, fechados.

A cidade e sua região estão em quarentena desde ontem (23), e mais de 40 milhões de habitantes estão proibidos de deixar a localidade.

"Tenho tosse, tenho febre, por isso, estou preocupado que possa estar infectado", diz um homem de 35 anos, que se identificou como Li, no Wuhan Fifth Hospital.

"Ainda não sei os resultados (dos testes). Estou nervoso", desabafou.

A maioria das pessoas é da meia-idade, ou idosos. Ao chegarem, recebem termômetros. Depois de verificarem eles mesmos sua temperatura, pacientes ansiosos devolvem o material para o pessoal hospitalar.

Uma enfermeira olha pausadamente o termômetro de uma mulher de meia-idade e, na sequência, volta-se para ela e lhe diz: "você tem que ver o médico".

- Medo de contágio -

Em outro hospital, Huang Wei, de 42, diz temer que a situação piore, se as pessoas contaminadas tiverem contato com os demais nesta cidade de 11 milhões de habitantes. Ele se pergunta se haveria capacidade sanitária suficiente para enfrentar uma extensão da epidemia.

"O tratamento médico não é suficiente. Leva-se muito tempo, e os contágios podem acontecer nas longas filas formadas nos hospitais", afirma.

"É isso que me preocupa", conclui.

Muitos pacientes têm de aguardar horas na fila em frente ao hospital da Cruz Vermelha para terem sua temperatura verificada.

Embora todos os membros do centro hospitalar estejam com equipamento de proteção - luvas, máscaras e óculos -, alguns dos pacientes que esperam atendimento sequer usam máscaras, apesar da orientação das autoridades municipais.

Em uma farmácia próxima, os funcionários, preocupados, impedem a entrada da multidão. Limitam-se a entreabrir uma porta para atender aos clientes, que querem, precisamente, comprar máscaras.

Do lado de fora do hospital, um cartaz explica que o estabelecimento "está totalmente reservado para os doentes com febre".

"Nosso hospital não aceita mais os outros doentes", acrescenta.

O ambiente é caótico e, apesar do grande número de pacientes, há poucos vigias.

"Os que estão saudáveis, fora!", grita um deles, irritado com os empurrões que acontecem na frente de uma sala de consultas.

Diante do risco de que os centros médicos não deem conta da situação, a cidade acaba de iniciar a construção de um hospital com mil leitos. A obra deve estar concluída em dez dias.

Desde esta sexta-feira, dezenas de gruas estavam no terreno, onde será construído o futuro hospital, conforme imagens divulgadas pela televisão nacional.

Além disso, 40 médicos militares serão enviados para a região para reforçar o quadro de profissionais civis da saúde no hospital pulmonar de Wuhan, informou a imprensa local.