Mercado abrirá em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,09 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,52
    -0,98 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.805,90
    -6,40 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    22.960,70
    -892,12 (-3,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,17
    -24,18 (-4,34%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    19.523,17
    -480,27 (-2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    12.997,00
    -34,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2525
    +0,0198 (+0,38%)
     

Diante medo de recessão mundial, dólar continua a avança ante real

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* São Paulo, SP, 06.12.2017 - Notas de dólar dos Estados Unidos. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*Arquivo* São Paulo, SP, 06.12.2017 - Notas de dólar dos Estados Unidos. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar avançava nos primeiros negócios desta terça-feira (12), aproximando-se da marca de R$ 5,40 conforme a demanda internacional por segurança permanecia elevada diante de temores de recessão, enquanto, no Brasil, investidores aguardavam as votações da LDO de 2023 e da PEC dos Benefícios.

Às 9h10 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,39%, a R$ 5,3922 na venda.

Na B3, às 9h10 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,25%, a R$ 5,4200.

Notas de euro e dólar sobre calculadora. Moeda comum europeia atinge menor cotação em 20 anos à sombra da recessão global Zheng Huansong - 7.jul.2022/Reuters Notas de euro e dólar sobre calculadora. Nesta segunda-feira (11), o dólar ganhou força globalmente e os mercados de ações mundiais caíram diante da possibilidade do impacto negativo da inflação nos resultados de companhias dos Estados Unidos, cuja temporada de balanços tem início nesta semana. Na quarta-feira (13), haverá a divulgação do índice de preços ao consumidor no país em junho.

Como é comum em momentos de tensão nos mercados, a busca pela segurança do dólar impulsionou a moeda americana a um ganho global de 1,1%, segundo índice da Bloomberg que acompanha a divisa.

O desempenho do real frente ao dólar foi o pior entre as principais moedas. Na comparação com economias emergentes, o retorno negativo da divisa brasileira só não foi maior do que o do peso colombiano.

A inflação nos EUA têm forçado o Fed (Federal Reserve, o banco central do país) a adotar uma política monetária de elevação de juros, cujo resultado poderá ser uma recessão mundial.

Além da inflação nos Estados Unidos, o avanço da Covid-19 na China também puniu o mercado brasileiro ao criar temores sobre a redução da entrada de dólares no país por meio de exportadores de materiais básicos.

O setor de commodities é também o mais importante da Bolsa de Valores brasileira e já vinha pressionado com ameaça de desaceleração global. Restrições provocadas pela Covid na China amplificam esse risco.

Como resultado das pressões externas, além do conturbado cenário político e fiscal interno, o índice de referência da Bolsa, o Ibovespa, mergulhou 2,07%, a 98.212 pontos.

O euro renovou nesta segunda a sua menor cotação diária frente ao dólar, após ter recuado à mínima em 20 anos na última sexta (8). A moeda comum entre países da Europa fechou o dia valendo a US$ 1,0064, muito perto da paridade com a divisa americana.

No câmbio brasileiro, o euro à vista subiu 0,60% frente ao real e fechou o dia valendo R$ 5,3942. A cotação segue bem próxima à do dólar (R$ 5,3720).

O tombo da moeda europeia é mais um sinal dos temores de uma recessão mundial. O Banco Central Europeu também lida com a necessidade de elevar juros para reduzir a inflação e, assim como o Fed, precisa encontrar o ponto certo do aperto para frear a alta de preços sem que isso destrua a economia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos