Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.222,77
    -3.824,71 (-7,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Dia de queda para o petróleo após alcançar o terceiro alvo.

·2 min de leitura

O preço do barril de petróleo vem subindo dia após dia e chegou a níveis de preço que começam a preocupar diferentes setores da indústria.

Buscando entender a dinâmica de preços, para estimar onde a commodity poderia fazer um topo, foram feitas algumas análises gráficas. Observando o gráfico semanal do Petróleo Brent, foi identificada uma região de confluência, onde se encontram dois alvos e mais o topo formado em outubro de 2018.

O primeiro alvo que se encontra nessa região de confluência se refere ao pivô que o ativo formou sobre a média móvel de 20 períodos.

Conforme mostrado, o primeiro alvo projetado pelo pivô se encontra na máxima que o Petróleo fez na semana passada.

Observando o gráfico, pode ser notado também que o ativo trabalhou uma semana abaixo da média de 20 e na sequência fez um forte movimento de alta, voltando a trabalhar acima da média. Estes movimentos formam um padrão de reversão conhecido como “Engolfo de alta”. Se for feita uma projeção deste padrão, é verificado que o terceiro alvo coincide com o primeiro alvo do pivô.

Além dos alvos projetados, existe ainda mais uma resistência que coincide com essa região de preços. Representado no gráfico pela linha tracejada amarela está o topo deixado em outubro de 2018. Este topo é uma resistência forte por dois motivos.

O primeiro fator é o tempo, pois já fazem mais de três anos que o petróleo não chegava a estes níveis de preços. O segundo fator é a amplitude, pois a diferença de preços entre a mínima que o petróleo fez durante a pandemia e o topo deixado em 2018, é muito grande. Estes dois fatores, tempo e amplitude, fortalecem uma resistência.

Então o petróleo vai cair?

No gráfico diário, fica claro que o petróleo está respeitando esta região de resistência. O ativo vinha subindo com força, mas nos últimos dias começou a fazer movimentos menores e passou a andar de lado. Hoje, o petróleo vem caindo, voltando novamente para baixo da resistência.

No entanto, seria muita audácia dizer que a commodity não irá subir mais. O petróleo continua em tendência de alta e não apresentou ainda nenhum sinal de que poderá inverter esta tendência. Na realidade, conforme mostrado no primeiro gráfico, o alvo de 100% do pivô acionado no gráfico semanal ainda está em aberto. Ou seja, existe uma grande probabilidade de o ativo buscar este alvo.

Mas, o que pode ocorrer, é que o ativo caia um pouco, ou entre em uma consolidação, antes de subir novamente. De qualquer forma, é interessante continuar acompanhando a dinâmica de preços.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos