Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.808,38
    -1.577,27 (-4,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Dia do Orgulho Nerd | Veja o que séries e filmes ensinam sobre cibersegurança

·3 minuto de leitura

Feitos para entreter e divertir, os filmes de Hollywood também podem trazer aprendizados importantes em meio a seus roteiros. Isso não é diferente com a cibersegurança: embora seja romantizada em alguns casos (como no zoom infinito de algumas câmeras), ela também costuma ser bem representada na forma de invasões de sistemas e nas dicas presentes em muitas produções com cara “geek”.

Em comemoração ao Dia do Orgulho Nerd, comemorado no dia 25 de maio, a Kaspersky fez uma análise de algumas obras populares para descobrir o que podemos aprender com elas. O resultado é positivo e mostra que, mesmo exagerando de vez em quando, Hollywood está ligada em boas práticas e em situações que realmente podem acontecer. Confira a seleção:

Hackers (1995)

Vale a pena assistir o clássico não somente para assistir a uma Angelina Jolie em começo de carreira, mas também para acompanhar os diálogos bastante realistas para a época. Hacks de cabines telefônicas e falta de conscientização sobre a importância de senhas fortes não eram incomuns na trama, que contou com uma boa pesquisa em sua criação.

Mr. Robot (2015)

Mostrando a invasão rápida de sistemas, dispositivos conectados à nuvem e aparelhos inteligentes, a série chamou a atenção por saber explorar as consequências que isso pode trazer tanto para empresas quanto para pessoas comuns.

O Dilema das Redes (2020)

O documentário mostra como redes sociais criaram um sistema de manipulação e lucro a partir dos dados que coletam de seus usuários. Entre os momentos mais alarmantes estão relatos de que os próprios engenheiros que ajudaram a criar esses sistemas preferem não participar mais deles como usuários.

O Jogo da Imitação (2015)

O filme narra a história de Alan Turing, considerado o pai da ciência da computação teórica e da inteligência artificial. O filme traz um bom retrato de como funcionam técnicas de criptografia e mostra como as bases da computação moderna foram criadas.

Duro de Matar 4.0 (2007)

Entre Bruce Willis destruindo helicópteros e participando de grandes cenas de ação, podemos acompanhar uma trama em que hackers usam malwares para destruir totalmente empresas. O filme ajuda a refletir sobre as infraestruturas críticas presentes em um mundo conectado, que precisam de um grau alto de proteção contra ataques.

O Ultimato Bourne (2007)

O filme mostra alguns protocolos e tecnologias que realmente existem e são usados frequentemente, como protocolo de rede SSH, interpretador de comandos bash e o software NMAP, que rastreia portas. Tudo é usado para detectar criminosos que roubam documentos secretos, algo que não é incomum ocorrer em ações contra grandes corporações.

“O Dia do Orgulho Nerd nos permite destacar a importância das obras de ficção no trabalho de conscientização de segurança ao transmitir mensagens técnicas diretamente à população no geral, e isso ajuda muito a criar um mundo mais seguro”, afirma Fabio Assolini, analista da Kaspersky no Brasil.

Essas e outras obras podem parecer simples entretenimento, mas também ajudam a conscientizar sobre a proteção de dados pessoais, a importância de criar senhas fortes e trazem questionamentos importantes sobre privacidade e como ações simples — como não ler os termos de serviço de um site — podem comprometer nossos dados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: