Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.383,94
    +227,48 (+1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

7 melhores filmes, séries e documentários LGBTQIA+ na Netflix

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Já é comum encontrar produções com a temática ou com personagens LGBTQIA+. São filmes, séries e documentários que trazem representatividade e mostram um pouco mais da realidade dessa comunidade. Seja em obras originais ou não, a Netflix tem investido nesse tema e seu catálogo está recheado para quem deseja ver produções sobre o assunto.

Um exemplo disso são os sucessos Glee e RuPaul Drag Race. O primeiro é uma série-musical que traz personagens gays, lésbica, bissexual e transgênero, além de abordar temas como identidade de gênero, sexo e orientação sexual. Já o segundo é um reality show de drag queens, criado em 2009 pela drag RuPaul Charles (que dá nome ao show) e tem como premissa apresentar o universo drag para a audiência.

Mas tem muito mais produções do tema no catálogo do serviço. Pensando nisso, o Canaltech listou os 7 melhores filmes, séries e documentários LGBTQIA+ para você assistir na Netflix. São opções nacionais e internacionais e dos mais diversos gêneros para você refletir e se divertir.

7. Orange is The New Black

Esta é uma das séries mais famosas da Netflix e conta a história de Piper, uma garota nova-iorquina que se envolve com tráfico de drogas e vai parar na penintenciária feminina de Litchfield condenada a cumprir 15 meses de prisão. Na cadeia, ela faz amigas e inimigas, além de reencontrar Alex (Laura Prepon) sua ex-namorada.

A história é repleta de personagens homossexuais e bissexuais e traz nomes de peso no elenco, como Laverne Fox, Natasha Lyone, Ruby Rose e Uzo Aduba que fez história ao vencer dois Emmys pela sua personagem Crazy Eyes: um na categoria drama em 2015 e outro na categoria comédia em 2014.

6. Vis a Vis

Continuando com a temática de crimes e prisão, outro sucesso de público é a série espanhola Vis a Vis. A produção conta a história de Macarena (Maggie Civantos), uma jovem que foi manipulada pelo seu patrão, por quem estava apaixonada, e acabou comentendo quatro crimes fiscais.

Na Penintenciária Cruz del Sur, ela se depara com muitos desafios e encontra em seu caminho detentas como Estefanía (Berta Vázquez), ou Cachinhos, como é mais conhecida, Saray (Alba Flores) e a poderosa Zulema (Najwa Nimri).

A série foi inicialmente comparada com Orange is The New Black por repetir o enredo de uma mocinha loira condenada à prisão. No entanto, basta assistir a alguns episódios para ver que as semelhanças não vão muito além disso.

Vis a Vis tem no enredo personagens LGBTQIA+ como as lésbicas Saray Vargas e Estafanía, que se apaixona por Macarena e acaba tendo um relacionamento breve com a detenta.

5. As Telefonistas

Outra série espanhola famosa e que traz personagens não héteros é As Telefonistas (originalmente chamada de Las Chicas del Cable). Sucesso de público, a produção original da Netflix conta a história de quatro amigas que trabalham em uma empresa de telefonia.

Entre várias reviravoltas, a trama também traz o romance entre Carlota (Selan Victor) e Sara (Ana Polvorosa). No desenrolar da história, vemos Sara transicionando para Oscar Ruiz e enfrentando os preconceitos da sociedade espanhola dos anos de 1930 em Madri.

4. Mãe só há Duas

Saindo das produções espanholas e indo para as mexicanas, Mãe só há Duas (Madre sola hay dos) é uma comédia que conta a história de Mariana e Ana, que tiveram seus bebês trocados na maternidade. A confusão faz com que a vida de ambas fique entrelaçada.

Mariana é uma jovem bissexual que tem uma ex-namorada e um ex-namorado, o pai de sua filha. Com a convivência com a Ana, a jovem acaba se apaixonado por ela também. Essa história divertida é uma boa opção para quem quer relaxar e treinar o espanhol.

3. A Maldição da Mansão Bly

Embora seja pouco comum, nas séries de terror também é possível ver representatividade LGBTQIA+. É o caso da série A Maldição da Mansão Bly, continuação da A Maldição da Residência Hill, ambas criadas por Mike Flanagan.

Apesar de ser uma continuação, as duas histórias se conectam apenas pela premissa de uma casa mal-assombrada, com pessoas mal-assombradas, além dos elementos estéticos. Isso porque a segunda série criada tem uma narrativa independente e conta a história da babá Dani Clayton (Victoria Pedretti), que se muda para a mansão a fim de cuidar de duas crianças.

Lá, além de fantasmas, ela encontra a jardineira Jamie (Amelia Eve), com quem se relaciona amorosamente. Em um determinado momento da história, as duas vão morar juntas fora da mansão e Dani entrega um anel à Jamie, mostrando que está pronta para passar o resto de sua vida com a garota. No entanto, surpresas aguardam esse casal.

2. Hoje Eu Quero Voltar Sozinho

Para os fãs da sétima arte, a Netflix também tem produções elogiadas. É o caso do filme brasileiro Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, que conta a história de Leonardo (Ghilherme Lobo), um adolescente cego que tenta conciliar a escola, os dramas da adolescência e o cuidado da mãe superprotetora.

A vida de Leo muda quando ele conhece Gabriel (Fabio Audi), um menino que acabou de chegar na cidade e se torna seu amigo. É nesse momento, que Leo começa a descobrir sua sexualidade e sua paixão pelo garoto.

Escrito e dirgido por Daniel Ribeiro, o filme traz um olhar diferente para temas como homossexualidade e deficiência física. O longa de 2014 foi indicado a diversos prêmios, como o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

1. Me Chame Pelo seu Nome

Outro filme premiado (e vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado em 2018), Me Chame Pelo Seu Nome conta a história do romace homoafetivo entre Elio (Timothée Chalamet) e Oliver (Armie Hammer). O filme fala de respeito ao amor, liberdade e confiança, e é estrelado por Chalamet, que também fez Duna.

A obra é do diretor italiano Luca Guadagnino, e é uma boa pedida para quem quer ver um romance gay.

Bônus: Laerte-se

Além dos filmes e séries, o catálogo do streaming conta com diversos documentários. Entre eles estão: Carta Para Além dos Muros, Diários de Andy Warhol, Divinas Divas, A Morte e Vida de Marsha P. Johnson, entre outros.

No meio de tantos títulos, um que não pode ser esquecido é Laerte-se, que conta a vida da cartunista brasileira e reflete sobre seu processo de autoaceitação como mulher.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos