Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    105,81
    +0,05 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.805,60
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    18.862,80
    -1.332,90 (-6,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,82
    -26,65 (-6,18%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.500,50
    -29,00 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5056
    +0,0950 (+1,76%)
     

Dia Mundial dos Oceanos deste ano promove a revitalização pela ação coletiva

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Nesta quarta-feira, 8 de junho, comemora-se o Dia Mundial dos Oceanos. A data, celebrada desde 1992, foi criada para chamar a atenção sobre a extrema importância deste corpo d’água que cobre 70% da superfície do planeta, não apenas para nós, humanos, mas para todas as formas de vida na Terra.

Mais do que nunca, a data também serve para alertar a população mundial a respeito da crescente ameaça à saúde dos oceanos, produzida por atividades humanas insustentáveis como a pesca ilegal e o despejo de lixo nestas águas.

O que é o Dia Mundial dos Oceanos?

O Dia Mundial dos Oceanos foi declarado pela primeira vez em 8 de junho de 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Eco-92), realizada no Rio de Janeiro. No entanto, a data só foi oficializada pela Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) em 2008.

Os recifes de corais são a base da cadeia alimentar marinha (Imagem: Reprodução/Mission Blue/Tobias Zimmer/Shawn Heinrichs)
Os recifes de corais são a base da cadeia alimentar marinha (Imagem: Reprodução/Mission Blue/Tobias Zimmer/Shawn Heinrichs)

Anualmente, a data serve para chamar atenção sobre a preservação dos ecossistemas marinhos e a ONU aproveita a ocasião para realizar uma série de atividades com este propósito, abordando uma pauta específica a cada ano. Neste ano, o temo abordado é Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano.

O objetivo é destacar as diversas iniciativas coletivas pelo mundo que lutam pela conservação, restauração e, especialmente, a exploração científica dos oceanos — pois mais de 80% deste mundo aquático ainda é desconhecido. Para preservar, é indispensável conhecer.

A importância dos oceanos

Os oceanos são divididos em cinco grandes corpos d’água: Atlântico, Pacífico, Índico, Ártico e o Antártico; mas esta divisão serve apenas para organizar a maneira como estudamos estas águas. Na verdade, todos eles compõem um oceano global, que conecta todos os continentes.

O mapa apresenta o conceito do oceano global (Imagem: Reprodução/Michael Meredith)
O mapa apresenta o conceito do oceano global (Imagem: Reprodução/Michael Meredith)

O oceano global é responsável por produzir até 50% do oxigênio que respiramos, além de absorver 30% do dióxido de carbono — um dos principais agentes do aquecimento global. Assim, este mundo aquático desempenha um papel na regulação do clima.

Os oceanos também são uma grande fonte de alimento. Segundo o Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC), cerca de 28% da população mundial vive em regiões costeiras e mais de 2 bilhões de pessoas dependem direta ou indiretamente dos ecossistemas marinhos para sobreviver.

Estima-se que os oceanos forneçam até 170 milhões de toneladas de frutos do mar por ano, correspondendo a 15% de toda proteína consumida. Mais do que uma fonte de subsistência, os ecossistemas marinhos abrigam pelo menos 230 mil espécies de plantas, invertebrados, peixes e outros.

Além de regular o clima ao remover gás carbônico e lançar oxigênio na atmosfera, os oceanos também equilibram o clima global a partir da circulação das correntes oceânicas. O calor absorvido pelas águas, é distribuído pelo globo — dos trópicos aos polos; da superfície às profundezas.

Ameaças aos oceanos

Entre as principais ameaças aos oceanos estão a pesca excessiva, que desequilibra ecossistemas inteiros; a poluição dos mares, principalmente a poluição plástica; e os efeitos das mudanças climáticas nos oceanos; que têm alterando a temperatura deles.

A poluição plástico é uma grande ameaça aos ecossitemas marinhos (Imagem: Reprodução/Unsplash/Naja Bertolt Jensen)
A poluição plástico é uma grande ameaça aos ecossitemas marinhos (Imagem: Reprodução/Unsplash/Naja Bertolt Jensen)

O aumento da temperatura dos oceanos contribui para os efeitos das mudanças climáticas, intensificando o derretimento do gelo polar e, consequentemente, aumentando o nível do mar — uma ameaça direta às populações costeiras.

Um oceano mais quente também afeta diretamente as correntes oceânicas. Estas correntes, uma vez alteradas, trazem efeitos negativos ao transporte de nutrientes pelo oceano e na produção de oxigênio que vem do processo de fotossíntese de espécies marinhas como o plâncton.

Outra consequência de um oceano mais quente é a morte dos recifes de corais. Os recifes são a base da cadeia alimentar marinha e quando morrem, muitas espécies são afetadas. Por fim, um oceano mais quente também é sinônimo de fenômenos atmosféricas mais frequentes e intensos, como os furacões — outra ameaça às populações costeiras.

Cinco ações para revitalizar os oceanos

Para conscientizar e incentivar o público sobre a importância da proteção e recuperação dos oceanos, a National Geographic listou algumas iniciativas que cada um pode adotar. As dicas fazem parte do quarto episódio do Nat Geo Podcast, apresentadas pelas convidadas Tamara Klink, navegadora e escritora, e também pela documentarista, fotógrafa e ativista Bárbara Veiga.

A seguir, confira as cincos ações para a revitalização dos oceanos:

  • Menos cigarro: o cigarro é um grande agente poluidor. Em todo o mundo, estima-se que até 4,5 bilhões de bitucas (resíduos) de cigarro sejam produzidas todos os anos. Além disso, este resíduo também polui os oceanos com o microplástico — que afeta toda a cadeia alimentar;

  • Menos plástico: estima-se que 11 milhões de toneladas de plástico cheguem aos oceanos anualmente e, até 2040, este número pode triplicar. O plástico representa 85% do lixo humano que chega aos ecossistemas marinhos — aqui, a reciclagem é uma ferramenta fundamental para diminuir a quantidade de lixo que chega aos mares;

  • Menos combustível fóssil: as emissões excessivas de gases de feitos estufa (GEE), além de aquecer os oceanos, está diminuindo o nível de oxigênio nas águas marinhas e isto pode provocar uma extinção em massa de inúmeras espécies. Se estas emissões forem reduzidas imediatamente, este risco cai em até 70%;

  • Menos pesca predatória: a demanda comercial de pesca avança para áreas cada vez mais profundas dos oceanos em busca de espécies marinhas e esta prática excessiva causa um profundo desequilíbrio nos ecossistemas marinhos. Até mesmo grande animais como tartarugas e golfinhos ameaçados de extinção são afetados pela pesca predatório;

  • O que você faz importa: por mais desafiadores que estas mudanças sejam, elas não são impossíveis de serem alcançadas, especialmente quando são almejadas em coletivo. Uma postura consciente deve ser adotada desde a maneira como nos vestimos até como nos alimentamos

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos