Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,74
    -0,41 (-0,50%)
     
  • OURO

    1.666,10
    -3,90 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    19.487,76
    +368,62 (+1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,10
    +18,32 (+4,27%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.536,75
    -19,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2269
    -0,0057 (-0,11%)
     

Dia Internacional do Gamer: 6 fatos que diferenciam o Brasil do mundo

Atenção, gamers: é hora de comemorar! Nesta segunda-feira (29), é comemorado o Dia Internacional do Gamer. Não importa se você joga no console, no computador ou no celular; se gasta muitas horas ou apenas alguns minutinhos na jogatina; e até mesmo se prefere jogar no modo fácil ou no modo difícil. É uma data de celebração e de união de todos os gamers do mundo.

Por que existe o Dia Internacional do Gamer?

O dia internacional do gamer foi criado em 2008 por um grupo de revistas espanholas — a Hobby Consolas, a PlayMania e PC Mania —, que apenas decidiram oficializar uma data para comemorar; ou seja, não há uma explicação complexa, histórica ou sentimental por trás desse dia.

Entretanto, existem outras datas em paralelo: nos Estados Unidos, em 12 de setembro, é comemorado o Dia Nacional dos Videogames, mas a data também compete com o Dia dos Videogames, em 8 de julho. Aqui no Brasil, o dia mais lembrado é 29 de agosto, pois as empresas aproveitam para realizar ações comemorativas e oferecer descontos aos jogadores.

Por isso, o Canaltech reuniu a seguir algumas informações curiosas sobre o hábito de jogar aqui no país.

6. Jogar no Brasil é caro (e exige muito trabalho)

Ok, isso não é novidade para ninguém. A nova geração (PlayStation 5, Xbox Series X e Xbox Series S) foi lançada por aqui beirando os R$ 5 mil, e alguns lançamentos ultrapassaram a marca de R$ 350 em suas versões base — quase um terço do salário mínimo, R$ 1.100 por mês.

O Canaltech levantou quantas horas um brasileiro precisa trabalhar para comprar um jogo, e comparou com os números de outros países. Resultado: precisamos, em média, trabalhar cinco dias para comprar um jogo a R$ 250, enquanto um estadunidense, um japonês e um europeu precisam trabalhar apenas dois. Confira todos os detalhes aqui.

5. Pirataria na consolidação dos videogames

Justamente pelo preço caro de se ter um console e um jogo, a pirataria foi um caminho para o avanço dos games no Brasil — afinal, quem não lembra das feirinhas e camelôs vendendo jogos de Playstation 1 e PlayStation 2 a R$ 10? Ou dos consoles desbloqueados? Há quem também tenha se aventurado pelos icônicos PolyStations — consoles ilegais chineses que tinham cara de PS1, mas alma de Nintendinho.

Mais antigamente, como as grandes empresas não estavam oficialmente no país, empresas brasileiras passaram a comercializar clones “brazucas”. Exemplos disso são o Phantom System, da Gradiente (clone do Nintendinho), o Master System, da Tectoy (clone do console da SEGA), e até mesmo o jogo Mônica no Castelo do Dragão (clone de Wonder Boy).

 Phantom System, clone do NES lançado em 1988 pela Gradiente (Foto: Reprodução/Gradiente)
Phantom System, clone do NES lançado em 1988 pela Gradiente (Foto: Reprodução/Gradiente)

Caso você queira entender melhor o assunto, recomendamos a série documental Paralelos, disponível no site da RedBull.

4. Mulheres são a maioria dos gamers

A Pesquisa Games Brasil, uma das mais reconhecidas do país, mostrou novamente em 2022 que pessoas do gênero feminino são as que mais jogam no país. Segundo o levantamento, 51% do total de jogadores é composto por mulheres.

Outro dado importante é que a maioria do público gamer se identifica como parda ou preta (49,4%, na soma). O hábito de jogar é mais comum entre jovens de 16 a 24 anos, mas também está presente na vida de pessoas mais maduras. Em relação às classes sociais, a maioria está na classe média.

3. Celular é a plataforma preferida do brasileiro

Outro discurso falso é o de que quem joga no celular não é gamer. Saiba que, ainda segundo a Pesquisa Games Brasil 2022, 48,3% dos entrevistados afirmaram que o smartphone é a primeira opção para jogos. Os computadores vêm em segundo lugar, com 23,3%, seguido dos consoles, com 20%.

2. Free Fire é um fenômeno no Brasil, sobretudo nas periferias

O battle royale da Garena foi o game mais baixado no mundo em 2020, inclusive no Brasil. Por aqui, o game também foi o que registrou o maior número de jogadores mensais.

O sucesso tem alguns porquês: é um jogo gratuito, leve (ou seja, roda em quase todos os aparelhos) e possibilitou a ascensão social de muitos jogadores através dos eSports. Como descrito acima, o celular é a plataforma preferida dos brasileiros para jogos, e muito disso se deve pelo fato de que ter um celular é extremamente mais barato (e essencial) do que ter um console ou um PC parrudo.

Estúdio da Liga Brasileira de Free Fire, em São Paulo (Foto: Divulgação/Bruno Alvares/Garena)
Estúdio da Liga Brasileira de Free Fire, em São Paulo (Foto: Divulgação/Bruno Alvares/Garena)

1. Mercado de desenvolvimento de games em alta

Embora seja um mercado menor se comparado ao dos Estados Unidos, por exemplo, o cenário brasileiro de jogos produz vários títulos de excelente qualidade. Além disso, muitos desenvolvedores brasileiros são convidados a trabalhar em estúdios gringos.

Por aqui, a maioria dos estúdios são independentes — os queridinhos indies —, e podem ser encontrados em várias plataformas. Existe até um evento anual para celebrar, premiar e fomentar esse mercado: o BIG Festival. Mais recentemente, rolou o anúncio do Magalu Games, que busca ajudar o desenvolvimento de jogos brasileiros, focando no mercado independente, oferecendo auxílio financeiro e mentoria aos devs.

Em Retro Machina, jogador controla um pequeno robô que precisa desvendar mistérios de um mundo esquecido há muito tempo (Foto: Divulgação/Super.com)
Em Retro Machina, jogador controla um pequeno robô que precisa desvendar mistérios de um mundo esquecido há muito tempo (Foto: Divulgação/Super.com)

Você lembra de alguma outra peculiaridade do brasileiro no mundo dos videogames? Compartilhe conosco nos comentários. Feliz dia internacional do gamer para todos nós!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: