Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.922,91
    -1.399,69 (-3,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Dez empresas devem juntas R$ 26,1 bilhões em impostos para o governo de SP

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um grupo de apenas dez empresas encabeçam a lista de débitos tributários com o estado de São Paulo, devendo R$ 26,1 bilhões em impostos não pagos. O levantamento foi feito pelo Sinafresp (Sindicato dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo), que analisou os casos que estão na dívida ativa do estado. A relação completa tem cerca de 500 empresas com débitos tributários. A primeira do ranking, a Drogacenter Distribuição de Medicamentos, de Ribeirão Preto, deve sozinha R$ 4 bilhões. A empresa foi procurada pela reportagem, mas não retornou aos telefonemas. A dívida da Drogacenter com o fisco paulista é superior aos orçamentos somados de cinco secretarias do governo estadual --Secretaria da Cultura, Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Secretaria da Habitação, Secretaria de Desenvolvimento Regional e Defensoria Pública. Na lista figuram grandes empresas que são conhecidas em nível nacional. A Petrobras, por exemplo, é a segunda no ranking. Tem uma dívida de R$ 3,5 bilhões. A estatal diz, via assessoria de imprensa, que o montante se trata de "contencioso tributário (divergência de entendimento entre fisco e contribuinte), não sendo adequado qualificá-lo como dívida." Em terceiro lugar está a Telefônica, atualmente mais conhecida pela marca Vivo, com uma dívida de R$ 3,2 bilhões. A empresa também discute judicialmente os débitos tributários e afirma que o valor está com a exigibilidade suspensa. "Fato esse confirmado pela situação de regularidade fiscal perante à Procuradoria Geral do Estado, responsável pela emissão de certidões", diz a empresa em nota. "A Telefônica ressalta ainda que há casos em discussão onde possui precedentes favoráveis reconhecendo-se, assim, a inexigibilidade dos débitos, inclusive, dos Tribunais Superiores." O motivo é o mesmo alegado pela TIM, outra empresa do setor de telefonia com discussões tributárias e que figura na sexta posição com uma dívida de R$ 2,6 bilhões. A empresa alega que "todas as suas questões estão nas esferas administrativa ou jurídica, dentro da conformidade que a Lei estabelece. Inclusive, seguidamente, a empresa obteve rating A+ no ranking Nos Conformes, da Sefaz." "Ser inadimplente se tornou um negócio no estado de São Paulo porque de dois em dois anos o governo faz o PEP do ICMS [Programa Especial de Parcelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]. A empresa faz uma conta, avalia que é melhor não pagar o imposto, aí vem o estado e dá oportunidade de regularizar isso", afirma Leandro Ferro, diretor do Sinafresp. A esmagadora maioria dos débitos é de ICMS, mas o estado também cobra taxas, IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação). Segundo ele, a chamada cultura de sonegação é danosa para os cofres públicos. "Tem empresa que passa por dificuldade, mas tem empresa que cria tese tributária para não pagar", diz Ferro. A Refinaria de Manguinhos, com uma dívida de R$ 3,1 bilhões, e o Grupo Pão de Açúcar, que deve R$ 3 bilhões, estão na quarta e quinta posição. Ambas foram procuradas pela reportagem, mas não retornaram. Completam a lista a Tec Transporte de Encomendas e Cargas, com um débito de R$ 1,8 bilhão, a JB Duarter, que tem um débito de R$ 1,6 bilhão, Ecoserv Prestação de Serviços de Mão de Obra, com R$ 1,5 bilhão, e a Usiminas, com outro R$ 1,5 bilhão. Dessa relação, apenas a Uniminas retornou. A empresa diz que que "as cobranças são ilegais e esclarece que o assunto está sendo discutido judicialmente." Ferro destaca que tem faltado um pouco de ação da procuradoria do estado para recuperar esses valores e que as discussões judiciais podem ser longas.