Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.119,64
    -1.336,80 (-2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Deutsche Bank prevê retorno de 5 mil funcionários em NY

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Deutsche Bank planeja o retorno ao escritório de 5 mil funcionários na cidade de Nova York nos próximos seis meses.

Most Read from Bloomberg

Muitos dos funcionários que retornarem ainda terão a opção de modelos de trabalho mais flexíveis, disse Christiana Riley, CEO do Deutsche Bank Americas, em entrevista na nova sede do banco alemão nos Estados Unidos na terça-feira.

Segundo ela, os que anunciavam “o fim de Nova York” exageraram. “Estamos entusiasmados em ver o ecossistema em Nova York voltando à vida.”

O Deutsche Bank disse em relatório a clientes no início do mês que profissionais de muitos setores têm se sentido isolados dos colegas e podem estar desenvolvendo problemas de saúde relacionados a instalações inadequadas de trabalho remoto. O banco agora espera que escritórios em grandes centros financeiros, como Londres e Nova York, sejam rapidamente reocupados, apontando para o aumento do número de passageiros nos sistemas de transporte público em ambas as cidades como um dos primeiros sinais de que os trabalhadores estão retornando às mesas.

Na entrevista, Riley disse que o Deutsche Bank vê oportunidades de crescimento após a reestruturação de seus principais negócios. O banco agora planeja se expandir organicamente nos Estados Unidos, não por meio de aquisições, uma estratégia que Riley atribuiu em parte aos altos preços dos ativos. Após um período de demissões, redução das operações do banco de investimento e mudanças na gestão, a instituição espera conseguir elevar a participação no mercado americano, disse a executiva.

“Tomamos decisões difíceis sobre deixar negócios que não foram bem-sucedidos, não eram rentáveis neste mercado”, disse Riley. “Temos um espectro de negócios em renda fixa e originação de crédito” que agregará valor aos nossos clientes.

Riley também disse que a participação do Deutsche Bank no mercado de emissão de dívida com padrões ambientais, sociais e de governança, ou ESG na sigla em inglês, dobrou desde 2019.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos