Mercado abrirá em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.873,80
    +7,30 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    34.689,52
    +26,91 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    686,85
    +6,94 (+1,02%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.980,81
    +18,34 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.716,14
    +192,88 (+0,68%)
     
  • NASDAQ

    13.381,00
    +86,75 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    +0,0097 (+0,15%)
     

Deutsche Bank não fará mais negócios com Donald Trump, segundo o New York Times

·2 minuto de leitura
(ARQUIVO) Pedestre passa em frente a escritório do banco alemão Deutsche Bank no centro de Londres em 08 de julho de 2019

O Deutsche Bank decidiu não fazer mais negócios no futuro com o presidente americano em final de mandato, Donald Trump, ou mesmo com suas empresas, que representam clientes importantes. A decisão foi tomada após a violenta invasão do Congresso por apoiadores do republicano, noticiou o jornal The New York Times nesta terça-feira (12).

No entanto, o banco não cortou todos os contatos com o magnata, que ainda deve mais de 300 milhões de dólares à entidade, acrescentou o jornal.

Desta forma, o Deutsche Bank se junta a diferentes empresas que cortaram seus vínculos financeiros com Trump, acusado de incitar seus seguidores a invadir violentamente o Capitólio no dia 6 de janeiro.

A diretora da subsidiária americana do banco, Christiana Riley, já havia condenado severamente os incidentes na rede profissional LinkedIn na semana passada, denunciando "um dia sombrio para os Estados Unidos e a(sua)democracia".

"A violência não tem lugar em nossa sociedade e as cenas que ocorreram (na quarta-feira) são uma vergonha para toda a nação", disse Riley.

Questionado pela AFP, um porta-voz do banco nos Estados Unidos não quis comentar.

O Deutsche Bank tem uma história complicada com o presidente americano.

A entidade alemã é um dos únicos grandes bancos ocidentais que continuou a emprestar dinheiro ao império Trump após a falência de vários de seus cassinos na década de 1990.

Essa decisão a colocou no centro de várias investigações nos Estados Unidos. O banco recebeu diversos pedidos de fornecimento de documentos, no âmbito de uma investigação sobre suspeitas de conluio entre a campanha do bilionário americano e a Rússia, por exemplo, e de empréstimos vinculados à imobiliária da família feitos por seu genro, Jared Kushner.

Outra entidade que gerenciava as contas pessoais de Trump, a Signature Bank, também começou a encerrá-las, disse uma porta-voz à AFP.

jum/jul/oaa/rs/llu/jc/mvv