Mercado abrirá em 35 mins
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,84
    +0,23 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.841,50
    -9,40 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    31.551,13
    -825,49 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    634,47
    -5,45 (-0,85%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.608,70
    -45,31 (-0,68%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.512,25
    +26,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4916
    -0,0192 (-0,29%)
     

Deutsche Bank melhora perspectiva para 2020

·1 minuto de leitura

FRANKFURT (Reuters) - O Deutsche Bank divulgou nesta quarta-feira uma perspectiva ligeiramente mais otimista para o ano, após um melhor desempenho no banco de investimentos conter um prejuízo no segundo trimestre e impulsionar suas ações.

O banco alemão está passando por uma grande reestruturação, iniciada há um ano após uma série de prejuízos anuais.

Executivos e analistas disseram que a reestruturação está começando a dar frutos, embora as incertezas relacionadas ao Covid-19 significam um grande aumento nas provisões para proteger o banco contra possíveis perdas com empréstimos.

As ações do Deutsche subiam cerca de 3,7% em Frankfurt. Até agora este ano, as ações avançaram mais de 17% e se recuperaram de uma mínima recorde em março.

As receitas para o ano devem ser "essencialmente estáveis", em vez de "um pouco mais baixas", como anteriormente sinalizado, disse o Deutsche Bank.

Já na semana passada, o banco disse que seus resultados seriam ligeiramente melhores do que os analistas esperavam, e o prejuízo líquido atribuível aos acionistas de 77 milhões de euros no trimestre foi menor que o prejuízo de 3,3 bilhões de euros do ano anterior.

Dado o impacto econômico da pandemia de Covid-19, o banco aumentou as provisões para perdas com crédito para 761 milhões de euros, ante 161 milhões no ano anterior.

Mas os executivos disseram que será difícil repetir o desempenho do primeiro semestre e analistas ainda esperam um prejuízo para o ano inteiro, embora digam que a reestruturação está fortalecendo a empresa.

"As medidas de reestruturação tornaram o banco mais resistente aos efeitos perturbadores da pandemia de coronavírus", disse Michael Rohr, analista da Moody's.

(Por Tom Sims, Patricia Uhlig, Hans Seidenstuecker e Arno Schuetze)