Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +31,80 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    35.023,79
    +623,82 (+1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,55
    -6,06 (-0,86%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4075
    -0,0911 (-1,40%)
     

Deutsche Bank estuda trabalho remoto de dois dias por semana

Steven Arons
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Deutsche Bank avalia uma nova política que permitiria à maioria dos funcionários trabalhar permanentemente em casa dois dias por semana.

O maior banco da Alemanha tem discutido mudanças há vários meses, e a regra de dois dias surgiu como o cenário preferido, disseram pessoas a par do assunto. Algumas questões regulatórias ainda precisam ser respondidas e nenhuma política será aplicada uniformemente para todos os funcionários, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas.

O Deutsche Bank ainda aguarda que vários países finalizem a nova legislação sobre trabalho remoto, disse uma pessoa. Também não está claro como abordar certas questões, como garantir a confidencialidade em um ambiente privado, e tais preocupações regulatórias devem resultar em políticas divergentes para alguns funcionários e países, disseram as pessoas.

O diretor-presidente do Deutsche Bank, Christian Sewing, havia dito anteriormente que aumentará a quantidade de trabalho remoto em meio ao objetivo de oferecer mais flexibilidade e reduzir custos imobiliários. O novo modelo de trabalho pode contribuir de forma significativa para uma meta de economia ambiciosa anunciada no ano passado.

O banco gastou 1,7 bilhão de euros (US$ 2 bilhões) em aluguel e móveis em 2019, valor que esperava permanecesse estável antes da pandemia. Após a experiência do primeiro semestre, o banco agora vê espaço para reduzir esses custos.

“Como é de conhecimento público, estamos explorando as lições positivas que o Deutsche Bank pode aprender com a crise de Covid-19 sobre como trabalharemos como banco no futuro”, disse por e-mail Christine Peters, porta-voz do banco. “Trabalhamos em um modelo híbrido que combinará o trabalho em casa e no escritório. Nenhuma decisão foi tomada ainda.”

O Deutsche Bank já começou a reduzir o espaço dos escritórios, pois tem planos de diminuir a equipe presencial. O banco está entre os muitos na Europa que reavaliam qual proporção de trabalho remoto será mantida após o fim da pandemia. Alguns bancos holandeses preveem uma taxa de até 50%.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.