Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,46 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,59 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,91
    -0,66 (-1,67%)
     
  • OURO

    1.907,30
    -4,60 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    13.706,46
    +18,39 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    271,28
    +9,99 (+3,82%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,21 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,61 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.377,42
    -116,88 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    11.537,25
    -50,75 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6820
    +0,0415 (+0,62%)
     

Deutsche Bank diz que economia global recuperou metade da queda

Catherine Bosley
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A economia global mostra retomada mais rápida do que o esperado, e o PIB mundial já recuperou metade da queda causada pela pandemia, de acordo com economistas do Deutsche Bank.

Segundo a equipe do banco, a recuperação até agora tem sido “significativamente mais rápida” do que o previsto por causa do efeito dos enormes estímulos de governos e bancos centrais, bem como ao sucesso de alguns países em conter o coronavírus.

“Estimamos que o nível do PIB global esteja aproximadamente na metade do caminho de volta ao nível pré-vírus, e agora vemos essa jornada sendo completada em meados do próximo ano, alguns trimestres mais cedo do que em nossa previsão anterior”, disseram o responsável de pesquisa econômica do Deutsche Bank, Peter Hooper, e outros economistas do banco em relatório.

Embora a economia global deva registrar recessão recorde, há sinais de que a queda pode não ser tão profunda quanto se temia. Na semana passada, a OCDE atualizou suas projeções para 2020, prevendo recessões menores em muitos países avançados.

Embora muito mais otimista, o Deutsche Bank também disse que o ritmo de recuperação deve desacelerar nos próximos meses, e pode haver consequências negativas duradouras devido a mudanças no comportamento do consumidor e estragos no mercado de trabalho.

Além disso, o banco alertou que os riscos do mercado financeiro aumentaram devido ao maior endividamento e valuations elevados em renda variável.

“As crises financeiras muitas vezes foram desencadeadas no passado sob tais condições pela mudança inevitável do afrouxamento para o aperto monetário, o que provavelmente ainda está vários anos distante, mas que poderia surpreender antes”, disseram.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.