Mercado fechará em 6 h 17 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,74
    -0,14 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.929,80
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    23.532,81
    -273,13 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,43
    -7,89 (-1,45%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.839,77
    +19,61 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.681,75
    -165,00 (-1,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5493
    +0,0596 (+1,09%)
     

Deutsche Bank aparece como maior credor da Americanas, mas não emprestou para varejista

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O banco alemão Deutsche Bank aparece como o principal credor da Americanas segundo a lista entregue pela varejista nesta quarta-feira (25) à 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, com uma dívida no valor de US$ 1 bilhão (R$ 5,2 bilhões).

O total de dívidas da empresa soma R$ 41,2 bilhões, devidos a 7.967 credores.

Entre os bancos, causou surpresa que a maior dívida seja com a instituição alemã. Neste caso, porém, o banco afirma que não tem crédito concedido à Americanas.

O valor refere-se a títulos emitidos pela varejista no exterior, que estão sob a custódia da instituição financeira.

Do total, R$ 41 bilhões pertencem à classe quirografários (crédito sem garantia), R$ 109,5 milhões à classe de microempresas e empresas de pequeno porte, e R$ 64,8 milhões se referem à classe trabalhista. A empresa identificou nominalmente todos os seus credores.

Os bancos são os maiores credores, mas a lista tem gigantes do setor de tecnologia como Google, Apple e Samsung, além de grandes indústrias alimentícias, como a Nestlé.

No caso das operações de crédito tradicionais, o maior débito é com o Bradesco, no valor de R$ 4,5 bilhões. O Santander Brasil é credor de R$ 3,6 bilhões.

Na sequência vêm BTG Pactual, com R$ 3,5 bilhões, BV (Votorantim), com R$ 3,3 bilhões, Itaú Unibanco, com R$ 2,7 bilhões, Safra, com R$ 2,5 bilhões, e Banco do Brasil, com R$ 1,36 bilhão.

Outros bancos públicos também estão na lista de credores da Americanas, como a Caixa Econômica Federal, com R$ 501,4 milhões, e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), com R$ 276 milhões.

Outras empresas do próprio grupo Americanas S.A. estão entre os maiores credores, como a B2W Lux e a JSM Global, ambas sediadas em Luxemburgo, com valores somados de aproximadamente R$ 6,7 bilhões.

A Americanas pediu recuperação judicial na semana passada, com uma dívida de R$ 43 bilhões, após ter detectado "inconsistências contábeis" de 20 bilhões de reais mais cedo neste mês.

Americanas informou na terça-feira (24) que diz que contratou a Alvarez & Marsal para ajudar a coordenar o processo de recuperação judicial da varejista.

Em fato relevante, a Americanas afirmou que a Alvarez & Marsal "atuará em coordenação com o Rothschild como interlocutor da companhia na renegociação da dívida financeira".