Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.737,16
    -2.630,86 (-5,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

‘Deu ruim’: prova do BBB patrocinada pela Coca bomba Pepsi

Marcus Couto
·3 minuto de leitura

O plano é uma coisa, e o que acontece quando esse plano é colocado em prática é uma outra completamente diferente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Prova disso foi o resultado da ação de marketing criada pela Coca-Cola junto ao time de produção do reality show Big Brother Brasil, da Rede Globo.

Leia também:

A Coca foi a grande patrocinadora da “prova do líder” desta semana, uma etapa importante do reality, quando uma pessoa ganha o poder de indicar uma outra ao “Paredão” eliminatório, geralmente por meio de provas, que são acompanhadas com ansiedade pelos milhões de telespectadores.

Essas ações “maiores” dentro do reality podem custar a uma marca patrocinadora valores acima dos R$ 70 milhões, segundo tabela de valores obtida pelo Estado de S.Paulo.

Mas na prova do líder desta quinta-feira, algo diferente ocorreu: a vencedora foi a cantora Karol Conka, vista por uma grande parte da audiência como a “vilã” desta edição por conta de afirmações polêmicas, maquinações e ataques a outros participantes.

Além disso, ela ganhou num “golpe de sorte”.

Foi o suficiente para milhares se revoltarem na web e publicarem suas reclamações: alguns acusaram manipulação da produção para a vitória de Conka, e outros até concluíram a possibilidade de intervenção de forças demoníacas (o nome “Satanás” estava nos assuntos mais comentados do Twitter).

Influências ocultas à parte, houve uma empresa que, sem querer, saiu ganhando com toda a confusão: a Pepsi, concorrente da Coca-Cola. Como a vencedora da prova foi uma personagem rejeitada por grande parte do público, muitos associaram a Coca à negatividade que elas sentiram com a vitória de Conka, e passaram a elogiar a Pepsi.

Resultado: o nome da marca concorrente de refrigerantes chegou aos assuntos mais comentados do Twitter com uma enxurrada de mensagens elogiosas.

“Pensa na reunião da agência da Coca com a Globo depois de ver o resultado da prova: Pepsi nos TTs”, escreveu o influenciador Felipe Neto.

E não foi apenas a Pepsi que se aproveitou. O Guaraná Antarctica aproveitou para fazer piada também no Twitter.

Essas marcas, pelo menos, não precisaram gastar dezenas de milhões da verba de marketing.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube