Mercado abrirá em 7 h 26 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,01
    -0,14 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.741,00
    +4,70 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    62.863,75
    -813,62 (-1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,84
    -4,93 (-0,36%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.634,31
    -266,52 (-0,92%)
     
  • NIKKEI

    29.644,51
    +23,52 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    13.825,50
    +26,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7693
    -0,0036 (-0,05%)
     

Detritos de foguete Falcon 9 provocam um show de brilhos cruzando o céu; veja!

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

Na noite de quinta-feira, (25), o céu de Oregon e Washington, nos Estados Unidos, foi cruzado pelo que parecia ser uma chuva de meteoros. No entanto, meteorologistas e astrônomos identificaram as faixas luminosas como, provavelmente, os restos de um foguete Falcon 9, da SpaceX, lançado no último dia 4 de março, queimando enquanto adentravam a atmosfera terrestre.

O foguete Falcon 9 é responsável por colocar a frota de satélites Starlink na órbita da Terra. Ele possui dois estágios, onde o primeiro é reutilizado e volta para o chão, enquanto o segundo é liberado na atmosfera para que, ao longo do tempo, caia e se queime por completo durante sua reentrada. O astrônomo James Davenport, da Universidade de Washington, diz: “tivemos um show muito bom hoje à noite, graças à SpaceX”. Os fragmentos do foguete permaneceram cerca de 22 dias em órbita. O problema é que não caíram quando e onde conforme a previsão e, por sorte, o evento não provocou nenhum acidente.

O astrônomo do Center for Astrophysics, Jonathan McDowell, explica que eventos observações da reentrada de lixos espaciais são bem comuns, até. “Este é o 14º pedaço de lixo espacial com massa superior a uma tonelada que voltou a entrar desde 1º de janeiro deste ano”, acrescenta McDowell. Uma estimativa de uma reentrada destas por semana, além de outros pequenos fragmentos que também se queimam neste processo. O astrônomo também diz ser complicado prever o momento e o local em que esses destroços vão cair. Isso porque eles se desfragmentam a uma altura de 60 km e, somado aos ventos da atmosfera superior da Terra e a velocidade desses objetos, torna-se difícil apontar com precisão.

A velocidade de reentrada desses objetos era inferior à velocidade com que os meteoros costumam cruzar o céu — superior a 72 mil km/h —, segundo estimativa do National Weather Service (NWS), que também identificou os brilhos como detritos do segundo estágio do Falcon 9.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Eventos como este costumam não apresentar nenhum risco, pois o material se queima na atmosfera. “Não há impactos esperados no terreno em nossa região neste momento”, acrescenta a NWS. O que sobra ao final disto, é um show de luzes cruzando o céu noturno — e inúmeros registros pelas redes sociais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: