Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.911,45
    +382,48 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,23
    -1,44 (-2,30%)
     
  • OURO

    1.793,50
    +15,10 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    55.616,10
    -189,70 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.283,10
    +20,14 (+1,59%)
     
  • S&P500

    4.162,63
    +27,69 (+0,67%)
     
  • DOW JONES

    34.076,24
    +254,94 (+0,75%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.854,25
    +60,00 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6994
    -0,0031 (-0,05%)
     

Determinação do relator da Lava-Jato provocou impacto também no processo sobre a suspeição de Moro; entenda

Carolina Brígido
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro Gilmar Mendes afirmou a interlocutores a intenção de passar por cima da decisão de Edson Fachin e levar para julgamento na Segunda Turma, em breve, a ação que questiona a imparcialidade do ex-juiz Sergio Moro na condução de processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O movimento explicitaria uma disputa interna que há na Corte sobre a Operação Lava-Jato.

Mendes foi surpreendido ontem pela posição de Fachin — assim como os demais integrantes da Corte. A decisão não apenas anulou condenações de Lula, mas determinou que a ação sobre a suposta parcialidade de Moro não seria mais julgada. O ministro e seus aliados no Supremo consideram que o relator da Lava-Jato passou por cima da Segunda Turma ao tomar sozinho uma decisão que esbarrou na que seria tomada em colegiado — a análise do recurso já começou, e Mendes está com o processo por ter pedido vistas.

(Confira a íntegra da reportagem exclusiva para assinantes).