Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.231,36
    +213,08 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Detectado provável sinal de rádio proveniente de exoplaneta, diz estudo

·2 minuto de leitura
Ilustração do exoplaneta Tau Bootis-b fornecida pelo Observatório Europeu Austral, em junho de 2012

Ondas de rádio procedentes de um planeta gigante gasoso situado fora do sistema solar teriam sido detectadas pela primeira vez, destacando a presença de um campo magnético protetor, revela um estudo.

O sinal foi observado através do radiotelescópio europeu LOFAR, uma rede de 50.000 antenas distribuídas por toda a Europa e que opera a baixa frequência, uma área de energia ainda pouco explorada.

A emissão provém de um sistema já conhecido, o Tau Bootis, situado a 50 anos-luz do sistema solar. Contém uma estrela dupla e um exoplaneta gigante gasoso que orbita perto: um "Júpiter quente", denominado Tau Bootis-b.

Até o momento conheciam-se a massa e a órbita de vários exoplanetas, mas não se tinham campo magnético. Este escudo, que protege das radiações dos ventos estelares, se encontra ao redor da Terra e de Júpiter.

No entanto, a emissão de rádio captada pelo LOFAR "é uma assinatura muito precisa do campo magnético", explicou à AFP Philippe Zarka, do Observatório de Paris, um dos principais autores do estudo publicado esta semana na Astronomy & Astrophysics.

Estas ondas são muito difíceis de detectar, pois os campos magnéticos costumam ser fracos e sua fonte de emissão, distante.

A equipe internacional de pesquisadores observou três sistemas extrassolares (Tau Bootis, 55 Cancri e Ups), que contêm gigantes gasosos que, por estar perto de sua estrela, são provavelmente emissores potentes.

Pegando como modelo o sinal de rádio de Júpiter, atenuado ao máximo, a análise de uma centenas de horas de observação apontou para a esperada assinatura de Tau Bootis.

"Há 98% de probabilidade de que o sinal seja confiável", comentou Philippe Zarka, destacando que persiste uma pequena dúvida sobre a possibilidade de que o sinal emane de sua estrela. "Para estar realmente seguros, faltaria 99,9% de probabilidade. Será preciso continuar com as observações, o que está ao nosso alcance", acrescentou o astrofísico.

Se for confirmada, esta "seria uma primícia que validaria a técnica de detecção de rádio e, portanto, um passo para a caracterização dos exoplanetas", ressaltou o pesquisador.

Cerca de 4.000 exoplanetas foram detectados desde a descoberta do primeiro, o 51 Pegasi-b, há 25 anos.

A existência de uma "bolha" magnética ao seu redor é um ingrediente propício ao desenvolvimento de uma forma de vida, segundo Philippe Zarka. Mas existem outros critérios, como a temperatura e, no caso de Tau Bootis-b, a sua seria alta demais para abrigar vida.

juc/pcl/fmp/alc/bc/jvb/mvv