Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    50.049,88
    +951,18 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Destinos turísticos repensam sobre a indústria de cruzeiros

Fran Golden
·6 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Em 12 de abril, ativistas em Juneau, Alasca, protocolaram documentos para limitar o tráfego de cruzeiros ao pitoresco porto da cidade, onde mais de 1,2 milhão de passageiros desembarcaram em 2019. Quando o serviço de cruzeiros voltar a funcionar, espera-se que hospede cerca de 620 navios, trazendo mais de 1,3 milhão de turistas.

Moradores argumentam que muitos passageiros que desembarcam durante a temporada de verão mudam a vida na cidade de 32.000 habitantes. Segundo eles, o objetivo é garantir uma qualidade de vida enquanto a cidade é considerada um destino atraente para visitantes passarem a noite, e manter algumas (mas não todas) as opções de turismo em cruzeiros.

Por que agora, após tantos anos de uma expansão da indústria de cruzeiros? Os moradores locais dizem que os bloqueios durante a pandemia os deixaram cientes de como a cidade está dependente das empresas de cruzeiros, que injetam cerca de US$ 1,3 bilhão na economia do Alasca -- e milhões localmente.

Mas Juneau não está sozinho. Destinos que vão de Bar Harbor, Maine, às Ilhas Cayman, estão usando a pandemia para evitar o turismo de cruzeiros em massa que, segundo seus oponentes, obstrui as ruas, sobrecarrega a infraestrutura e ameaça delicados ecossistemas de corais que fornecem proteção natural contra furacões.

Há também um argumento econômico: turistas que passam a noite gastam consideravelmente mais do que aqueles que só param em terra por um tempo, e reduzir as multidões de cruzeiros pode ajudar a atrair mais viagens terrestres.

Depois de anos de decisões com idas e vindas, o governo italiano sinalizou no final de março que proibirá navios de grande porte de cruzar a Lagoa de Veneza. A preocupação é com a proteção do patrimônio cultural, dado o aumento de risco de inundações ao redor da Praça de São Marcos sempre que cruzeiros chegam ao porto. Para resolver este problema, grandes navios serão redirecionados para a vizinha Marghera, um porto industrial. Mas essa mudança só acontecerá quando as instalações estiverem prontas, fazendo com que Veneza ainda tenha pela frente mais um verão com grandes navios.

Um setor limitado

O governador da Flórida, Ron DeSantis, está processando os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA em relação ao que ele diz ser um fechamento injusto da indústria de cruzeiros -- um processo ao qual o estado do Alasca se juntou na semana passada -- mas Key West está indo na direção oposta. Em novembro, a cidade aprovou por meio de um referendo que o número de passageiros diários de navios de cruzeiro deve ser reduzido a 1.500 e deu prioridade de atracação aos navios com melhores registros de saúde e segurança.

As novas regras acabarão com as visitas de grandes companhias aéreas, como Carnival Cruise Line, Disney Cruise Line, Norwegian Cruise Line e Royal Caribbean International, cujos navios geralmente excedem a contagem de passageiros. Antes da pandemia, quase um milhão de turistas chegavam a Key West todos os anos por cruzeiros, representando cerca de um terço dos turistas da cidade. Esse número deve diminuir drasticamente.

Um argumento daqueles que defendem limitar o número de cruzeiros é que os passageiros desse tipo de embarcação gastam em média US$ 72 por dia no porto, enquanto os turistas que passam a noite em Key West desembolsam US$ 620 por dia. A indústria de cruzeiros -- por meio da Cruise Lines International Association -- argumenta que os passageiros de cruzeiro gastam mais por hora, quando estão em terra firme.

Outro problema é a água limpa. Um estudo da Florida International University sobre a clareza das águas superficiais em Key West relatou uma pequena melhora quando os navios de cruzeiro foram proibidos durante a pandemia.

A indústria de cruzeiros em Key West se tornou um ponto crítico em todo o estado. Em 22 de abril, o Senado da Flórida aprovou um projeto de lei que proíbe o governo local de regulamentar os negócios portuários. Ambientalistas e pescadores locais em Key West pediram a DeSantis para vetar a medida.

Embora o resultado permaneça incerto, Key West estabeleceu um modelo a ser seguido por outras cidades. Em Juneau, ativistas estão coletando assinaturas para adicionar questões relacionadas a cruzeiros à votação durante as eleições municipais de 5 de outubro. As três alterações propostas proíbem navios com mais de 250 passageiros por dia entre 19:00 e 7:00 e o dia inteiro aos sábados, bem como navios que pesem mais de 100.000 tabs (toneladas de arqueação) após 2025. Em relação a Key West, isso proibiria a maior parte dos navios das principais linhas, enquanto impulsionariam viagens terrestres para compensar a diferença na receita.

Uma história semelhante está se desenrolando em Bar Harbor, o porto de cruzeiros mais popular do Maine. Antes da pandemia, a cidade pesqueira de 5.600 habitantes esperava 300.000 passageiros por ano no verão e no outono. No final do ano passado, citando o congestionamento do centro e seu impacto na cultura local, a Câmara Municipal tomou medidas para discutir as restrições.

As Ilhas Cayman, que proibiram o tráfego de cruzeiros pelo menos até 2022, também estão reconsiderando sua estratégia de longo prazo. Em comentários de fevereiro, em meio a uma campanha eleitoral, o então primeiro-ministro Alden McLaughlin retirou o apoio a uma nova doca de cruzeiros de US$ 200 milhões em George Town. Em vez disso, ele discutiu os limites dos navios de cruzeiro quando voltarem a operar e sugeriu que o turismo medicinal pode ser uma forma de preencher qualquer lacuna.

Como um centro bancário, as Ilhas Cayman não dependem tanto do turismo de cruzeiros quanto alguns de seus vizinhos. Ainda assim, é o quarto destino de cruzeiros mais visitado do Caribe e, antes da pandemia, esperava 1,9 milhão de visitantes em 2020. Agora, o destino do setor ficará nas mãos do primeiro-ministro recém-eleito, Wayne Panton, ex-ministro do Meio Ambiente do país.

Dois Lados da Moeda

No entanto, nem todas as restrições são voluntárias. Conhecida como a capital do ouro, a cidade de Skagway, no Alasca (população: 850), gostaria de impulsionar os cruzeiros -- é o principal gerador de renda para os habitantes locais -- mas não tem a infraestrutura ou os meios para financiar essas melhorias.

No ano passado, nenhum navio de cruzeiro visitou Skagway. Este ano uma proibição de cruzeiros no Canadá até fevereiro de 2022, juntamente com as leis de cabotagem dos EUA (que tratam do comércio ou transporte em águas costeiras), parece ter naufragado a temporada pela segunda vez. No total, as empresas da cidade perderam US$ 160 milhões em receita em 2020, diz o prefeito Andrew Cremata.

Título em inglês:Key Tourist Destinations Rethink Reliance on the Cruise Industry

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.