Mercado abrirá em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,37
    +0,36 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.924,90
    -5,10 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    22.925,31
    -232,87 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,10
    -8,09 (-1,53%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.598,76
    +31,98 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    27.384,35
    +21,60 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.041,50
    -65,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5114
    -0,0083 (-0,15%)
     

Destaques da NASA: Cometa, ovo de Dragão e outras imagens astronômicas da semana

Nesta semana, a NASA aproveitou o início da temporada de Órion, o período do ano em que a constelação fica mais fácil de observar. Trata-se de uma grande região rica em estrelas gigantes, aglomerados estelares e nebulosas incríveis.

Fotos dessa região estão foram selecionadas pela NASA para o site Imagens Astronômicas do Dia durante a semana. Dutros cenários exuberantes também foram publicados, e você confere todos eles abaixo.

Sábado (24/12) — Cometa 2022 E3 (ZTF)

Cometa 2022 E3 (ZTF) passou pela constelação Corona Borealis (Imagem: Reprodução/Dan Bartlett)
Cometa 2022 E3 (ZTF) passou pela constelação Corona Borealis (Imagem: Reprodução/Dan Bartlett)

O cometa C/2022 E3 (ZTF) foi descoberto ainda este ano, no início de março, e teve um aumento de brilho desde então. Agora, ele passa pela constelação Corona Borealis, pouco antes de amanhecer. Infelizmente, a constelação indica que o cometa só pode ser observado no hemisfério norte.

Podemos contar, entretanto, com os telescópios dos astrofotógrafos ao redor do mundo. Esta imagem foi capturada em 19 de dezembro e mostra todas as características de um cometa que se aproxima do Sol. Ele estará mais perto de nossa estrela no dia 12 de janeiro, e sua maior aproximaçao da Terra será em 1º de fevereiro.

Domingo (25/12) — Meteoros gemínidas

Chuva de meteoros geminídeas (Imagem: Reprodução/Chuck Derus)
Chuva de meteoros geminídeas (Imagem: Reprodução/Chuck Derus)

A chuva de meteoros geminídeas, ou gemínidas, foi capturado nesta fotografia perto de seu pico, no dia 13/14 de dezembro. Essa imagem é composta pr 22 imagens do céu, tiradas antes da lua nascer sobre Monument Valley, no sudoeste americano. Em outras palavras, os meteoros não caem em quantidades grandes o suficiente para vermos algo assim no céu se observarmos ao vivo.

O fotógrafo conseguiu obter várias instantes em que as estrelas cadentes riscaram o céu e, em seguida, reuniu todas em um único quadro. Como podemos observar, todos eles parecem vir do mesmo ponto no céu: a constelação de Gêmeos, com suas duas estrelas principais destacadas: Castor (azul) e Pollux (amarelo).

Segunda-feira (26/12) — nebulosa Ovo de Dragão

A nebulosa Ovo do Dragão é formada por duas nuvens avermelhadas bipolares e uma concha externa mais fraca (Imagem: Reprodução/Russell Croman)
A nebulosa Ovo do Dragão é formada por duas nuvens avermelhadas bipolares e uma concha externa mais fraca (Imagem: Reprodução/Russell Croman)

As nebulosas NGC 6164 e NGC 6165, no centro na imagem, parecem um único objeto oval, mas são duas formações diferentes. Os astrônomos as apelidaram de Nebulosa Ovo do Dragão, especialmente porque ela está perto de uma região conhecida como Dragões de Ara (não visível nesta imagem).

Já a nebulosidade externa azulada é o resultado de uma ejeção de massa anterior pela mesma estrela que formou o "ovo". Ela abrange cerca de 4 anos-luz (mais ou menos a distância entre o Sol e a estrela Proxima Centauri) e fica a 4.200 anos-luz de distância da Terra, na constelação sul de Norma, a Praça do Carpinteiro.

Terça-feira (27/12) — arco-íris completo

O Sol está na direção oposta ao centro do arco-iris (Imagem: Reprodução/Lukas Moesch/APOD)
O Sol está na direção oposta ao centro do arco-iris (Imagem: Reprodução/Lukas Moesch/APOD)

A imagem acima é o que veríamos se observássemos um arco-iris do alto, em um dia chuvoso, no lado oposto ao Sol. Todos os arco-íris são, na verdade, um círculo, mas enxergamos apenas um arco devido ao ângulo de vista e a curvatura do planeta.

Bem, se desejar ver um arco-íris completo em um cenário paradisíaco como este, basta ir nos arredores das Ilhas Lofoten, da Noruega. Ah, repare que também existe um segundo círculo colorido externo como "brinde extra" aos nossos olhos.

Quarta-feira (28/12) — galáxia espiral M88

A galáxia M88 e seus diversos braços espirais (Imagem: Reprodução/Adam Block/Mt. Lemmon SkyCenter/U. Arizona)
A galáxia M88 e seus diversos braços espirais (Imagem: Reprodução/Adam Block/Mt. Lemmon SkyCenter/U. Arizona)

Essa astrofoto da galáxia Messier 88 revela com bastante nitidez características marcantes do objeto, como as nuvens escuras nos braços espirais, alguns aglomerados muito brilhantes salpicados aqui e ali, além de gás e poeira no lado externo, onde novas estrelas azuis se formam.

A M88 tem mais de 100.000 anos-luz de diâmetro, sendo um pouco menor que a nossa Via Láctea. Os astrônomos encontraram apenas uma supernova nessa galáxia, chamada SN 1999cl.

Quinta-feira (29/12) — Cometa 2022 E3 (ZTF)

A Nebulosa da Chama está no lado esquerdo da Cabeça de Cavalo (Imagem: Reprodução/Jason Close/APOD)
A Nebulosa da Chama está no lado esquerdo da Cabeça de Cavalo (Imagem: Reprodução/Jason Close/APOD)

A região de Orion é uma das mais observadas por astrônomos amadores e astrofotógrafos, devido à riqueza de objetos fabulosos. Aqui, observamos principalmente três deles: a Nebulosa Cabeça de Cavalo (à direita), a Nebulosa da Chama (à esquerda) e a NGC 2023 (próximo ao centro).

O objeto Cabeça de Cavalo é uma nebulosa escura, ou seja, uma nuvem espessa de poeira que bloqueia a passagem da luz que vem de trás. Já a Chama, é uma nebulosa de emissão destacada pelo brilho de luz ultravioleta energética de uma estrela. Por fim, a NGC 2023 é a nuvem azulada logo abaixo da Cabeça de Cavalo.

Sexta-feira (30/12) — Marte, Aldebaran e Plêiades

Marte, Aldebaran e Plêiades compõe o cenário da imagem (Imagem: Reprodução/Gabor Balazs)
Marte, Aldebaran e Plêiades compõe o cenário da imagem (Imagem: Reprodução/Gabor Balazs)

Por fim, ainda aproveitando a temporada de Orion, a NASA destacou na sexta-feira a constelação de Touro, vizinho d'O Caçador. Na imagem acima, você observa o aglomerados estelar Hyades em formato de "V" à esquerda, o aglomerado das Plêiades à direita, e Marte, acima. A estrela vermelha gigante que ajuda as Hyades a obter o formato de V é Aldebaran, a mais brilhante da constelação de Touro.

Marte, o Planeta Vermelho, acompanhará Touro durante os próximos meses. Nessa região riquíssima do céu, vale a pena observar e fotografar os objetos durante o verão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: