Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.326,56
    -30,96 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Destaque da NASA: as Plêiades estão exuberantes na imagem astronômica do dia

Ainda na “tour” pelas principais constelações do verão, a NASA destacou como Imagem Astronômica do Dia uma das maiores atrações de Touro: as Plêiades. Na foto desta quinta-feira, as Sete Irmãs aparecem envoltas nas nuvens azuis difusas que as tornam tão peculiares.

Também conhecido como M45, o aglomerado estelar aberto das Plêiades fica a 400 anos-luz de distância da Terra, formado por quase 500 estrelas.

Anteriormente, acreditava-se que as manchas azuis seriam parte do aglomerado, talvez formada pelos restos da nuvem de poeira e gás formadora dessas estrelas. Por isso, chegou a receber o nome de Nebulosa Maia.

Entretanto, os astrônomos hoje sabem que as nuvens não estão relacionadas ao aglomerado. Elas apenas estavam “no caminho” enquanto o grupo de estrelas fazia sua rota na Via Láctea.

Uma delas, chamada Nebulosa de Merope (também conhecida como Nebulosa de Tempel e NGC 1435) está ao redor da estrela Merope com grande destaque na constelação. Podemos observá-la nitidamente nas fotos aproximadas das Plêiades com sua cor azul, fruto da poeira de carbono espalhada pela nuvem.

As Plêiades e os filamentos das nuvens (Imagem: Reprodução/Stefan Thrun)
As Plêiades e os filamentos das nuvens (Imagem: Reprodução/Stefan Thrun)

Pertinho da Nebulosa de Merope está a IC 349, um objeto que causou polêmica quanto à sua importância na época de sua descoberta. Hoje, esse objeto é apreciado como uma das nebulosas mais interessantes da região.

Voltando às Plêiades, seu nome vem do mito grego em referência às sete filhas do titã Atlas e da ninfa marinha Pleione. Os nomes dos pais também estão incluídos entre as nove estrelas mais brilhantes do aglomerado.

A foto acima foi feita com mais de 9 horas de exposição fotográfica, sendo em seguida processada e calibrada para revelar os filamentos detalhados da poeira interestelar.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: