Mercado abrirá em 5 h 11 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,15
    +0,28 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.943,00
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.099,75
    +242,08 (+1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    22.056,14
    +213,81 (+0,98%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.114,25
    -37,75 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5201
    +0,0045 (+0,08%)
     

Destaque da NASA: nuvens junto da galáxia Andrômeda são foto astronômica do dia

A foto em destaque no site Astronomy Picture of the Day nesta terça-feira (17) traz um enigma para os astrônomos. Ela revela arcos de gás em tons azulados na direção da galáxia Andrômeda, a vizinha da Via Láctea, mas nem mesmo os cientistas sabem ao certo a origem deles.

Os filamentos gasosos misteriosos foram descobertos por astrônomos amadores no ano passado e, por enquanto, há duas hipóteses principais que tentam explicar a origem deles. Uma delas propõe que eles estão realmente próximos de Andrômeda, e a outra sugere que aparecem no campo de visão porque, por coincidência, estão na Via Láctea.

Veja abaixo:

Andrômeda e filamentos azuis formados por oxigênio (Imagem: Reprodução/Yann Sainty & Marcel Drechsler)
Andrômeda e filamentos azuis formados por oxigênio (Imagem: Reprodução/Yann Sainty & Marcel Drechsler)

Outro aspecto misterioso destas estruturas emissoras de oxigênio é que elas ainda não haviam sido observadas em outras imagens de Andrômeda capturadas principalmente na luz emitida pelo hidrogênio.

Além disso, nem galáxias mais distantes parecem ter estruturas semelhantes a estas, emissoras de oxigênio. A melhor forma de os astrônomos tentarem entender melhor as origens delas é com observações futuras da luz emitida pelo oxigênio e por outros elementos.

As nuvens azuis na imagem de Andrômeda

As nuvens azuladas foram descobertas por Marcel Drechsler e Xavier Strottner, astrônomos amadores que queriam escanear partes do céu em busca de nebulosas de brilho fraco. Para isso, eles se juntaram ao astrônomo amador Yann Sainty, que decidiu observar Andrômeda.

Ele enviou suas observações à dupla para processamento e análise. Quando foram trabalhar com as imagens, eles encontraram as estruturas azuladas que pareciam cercar Andrômeda. A equipe até se questionou sobre a possibilidade de a estrutura ser resultado de algum artefato causado pelo telescópio, e pediram para outro astrônomo amador observá-la novamente.

No fim, as observações de cinco diferentes telescópios convenceram a equipe de que o que eles viram era real. Eles entraram em contato com astrônomos profissionais para análises mais profundas — mas, por enquanto, a origem da nuvem permanece um mistério.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: