Mercado fechará em 1 h 5 min
  • BOVESPA

    111.330,52
    -743,02 (-0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.400,75
    -618,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,32
    -0,09 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.929,30
    -13,50 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    23.882,64
    +883,97 (+3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    545,52
    +0,20 (+0,04%)
     
  • S&P500

    4.177,97
    +58,76 (+1,43%)
     
  • DOW JONES

    33.980,38
    -112,58 (-0,33%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.826,50
    +412,25 (+3,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4627
    -0,0917 (-1,65%)
     

Destaque da NASA: a Nebulosa do Cone é a foto astronômica do dia

As estrelas em formação na Nebulosa do Cone, um grande pilar de poeira, brilham na imagem destacada pela NASA nesta terça-feira (10). Esta nebulosa é um exemplo bastante popular de berçário estelar, onde estrelas recém-nascidas emitem ventos energéticos capazes de esculpir nuvens de gás e poeira.

Catalogada como “NGC 2264”, esta nebulosa fica a cerca de de 2.500 anos-luz de nós em direção à constelação Monoceros, o Unicórnio. O pilar de poeira que inspirou seu nome se estende por quase sete anos-luz, e provavelmente acabou com este formato pela ação da estrela NGC 2264 IRS.

Veja abaixo:

Imagem da Nebulosa do Cone capturada pelo observatório El Sauce, no Chile; a estrela NGC 2264 IRS aparece no canto superior da imagem (Imagem: Reprodução/Matthew Dieterich)
Imagem da Nebulosa do Cone capturada pelo observatório El Sauce, no Chile; a estrela NGC 2264 IRS aparece no canto superior da imagem (Imagem: Reprodução/Matthew Dieterich)

Pode não parecer, mas a nebulosa fica em uma região turbulenta de formação estelar. Ao longo de milhões de anos, a radiação das estrelas jovens e quentes acabou delineando o formato da nebulosa: a luz ultravioleta aquece as bordas da nuvem, liberando gás para o espaço próximo.

A radiação responsável é também a responsável por ionizar o hidrogênio, que passa a emitir o brilho avermelhado na foto. Futuramente, apenas as regiões mais densas da nebulosa do cone vão resistir à ação da luz estelar.

A Nebulosa do Cone

Devido a sua relativa proximidade da Terra, a nebulosa NGC 2264 é bastante estudada. Ela faz parte de uma grande região de formação estelar, e foi descoberta pelo astrônomo William Herschel.

No interior deste “cone cósmico”, há hidrogênio e enxofre gasosos. Assim, esta nebulosa é um ótimo exemplo de pilares formados no interior de grandes nuvens de gás molecular e poeira.

Eles surgem quando estrelas azuis, massivas e recém-formadas, emitem ventos estelares e radiação ultravioleta, expulsando material próximo. Conforme este material é empurrado, o gás e a poeira são gradualmente comprimidos em pilares escuros e densos, como o que você viu na foto acima.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: