Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.469,67
    -28,03 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Destaque da NASA: galáxias em colisão estão na foto astronômica do dia

As galáxias em colisão do sistema Arp 274, na constelação de Virgem, são o destaque do site Astronomy Picture of the Day nesta segunda-feira (23). O grupo de galáxias se estende por aproximadamente 200 mil anos-luz e fica a quase 400 milhões de anos-luz da Terra.

Também chamado “NGC 5679”, este sistema é formado por três galáxias. O formato espiral de duas delas parece estar intacto, enquanto a terceira galáxia, localizada no lado esquerdo da foto, apresenta evidências de formação estelar.

Veja abaixo:

Sistema de galáxias Arp 274 (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, Hubble; Mehmet Hakan Özsaraç)
Sistema de galáxias Arp 274 (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, Hubble; Mehmet Hakan Özsaraç)

Ela não está passando por este processo sozinha: além da galáxia na esquerda, a da direita também está formando estrelas a todo vapor — este processo aparece evidente nas áreas luminosas dos braços delas. Já a maior galáxia do sistema, localizada entre as três, parece ser do tipo espiral barrada.

Este nome é dado às galáxias espirais que têm uma estrutura em formato de barra em seus centros, formada por estrelas. As barras estão presentes na maioria das galáxias do tipo espiral, e costumam afetar o movimento das estrelas e o gás interestelar no interior delas.

As colisões das galáxias

Quando duas galáxias estão seguindo rumo a uma colisão, as estrelas costumam passar razoavelmente “ilesas” pelo processo. Isso acontece porque as galáxias são formadas por muito espaço vazio, e somente uma pequena parte dele é ocupada pelas estrelas.

Isso não significa, no entanto, que não haverá consequências para as galáxias. Durante a colisão, o gás e poeira de ambas colide e uma pode destroçar a outra devido à gravidade; é possível também que os buracos negros supermassivos delas passem por uma fusão.

Em cerca de 4,5 bilhões de anos, a Via Láctea e Andrômeda vão passar por uma colisão. Como as estrelas de ambas estão bastante distantes entre si, é pouco provável que colidam — mas algumas podem acabar “expulsas” de “Androláctea”, apelido dado à galáxia resultará do processo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: