Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,14
    +0,13 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.929,60
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    23.029,32
    +31,80 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,89
    -3,30 (-0,63%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.566,78
    +522,13 (+2,37%)
     
  • NIKKEI

    27.362,75
    -32,26 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.045,00
    -61,75 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5224
    -0,0164 (-0,30%)
     

Amazon Music Unlimited terá reajuste de preço em fevereiro, mas Brasil escapa

A Amazon vai aumentar o preço da assinatura do Amazon Music Unlimited, serviço de streaming musical, a partir do próximo mês. O valor mensal será reajustado de US$ 10 para US$ 11 por mês no plano individual e de US$ 5 para US$ 6 nas contas de estudantes.

A alteração de preço deve afetar os Estados Unidos, o Reino Unido, o Canadá, a Alemanha e o Japão. O plano familiar não deve ter mudança no momento, permanecendo nos US$16 mensais.

O Canaltech entrou em contato com a Amazon no Brasil para confirmar a informação. Por meio de sua assessoria de imprensa, a companhia garantiu que não há qualquer previsão de aumento para o Brasil — uma ótima notícia para os usuários locais, afinal o reajuste de um dólar poderia virar R$ 5 ou mais por aqui.

Este é o segundo aumento em menos de um ano para os usuários estrangeiros, o que tem deixado muita gente insatisfeita. A plataforma reajustou preços em maio de 2022, também aumentando um dólar no valor mensal de quem é usuário Prime (saiu de US$ 8 para US$ 9). Pelo menos, o reajuste de agora não deve afetar o valor de quem é assinante do Amazon Prime.

O Amazon Music Unlimited sofrerá reajuste lá fora, mas nada foi anunciado no Brasil ainda (Imagem: Reprodução/Amazon)
O Amazon Music Unlimited sofrerá reajuste lá fora, mas nada foi anunciado no Brasil ainda (Imagem: Reprodução/Amazon)

Segundo a Amazon, o reajuste era necessário para que o serviço continue a oferecer novos conteúdos e mais recursos. Mas a real justificativa pode estar ligada ao reajuste dos concorrentes diretos, já que o Apple Music — que também afetou outros streamings da Maçã —, o Deezer (até 30% de aumento) e o Spotify, incluindo o Brasil, tiveram reajustes.

Reajustes dos preços no streaming musical

É provável que 2023 reserve ainda novos anúncios de reajuste para todos os segmentos de transmissões ao vivo. O setor de tecnologia passa por crise desde o ano passado, resultado em demissões, cancelamento de séries e filmes, além de aumentos sucessivos nos preços.

Em novembro, a Universidade Anhanguera e o curso preparatório Stoodi firmaram uma parceria com a Amazon para oferecer uma conta gratuita Music Unlimited para os estudantes do ENEM. Foi uma tentativa de introduzir o serviço junto aos jovens brasileiros, dando um pouco de relaxamento nos dias antes da prova.

O Amazon Music Unlimited ainda tenta se consolidar por aqui, mas faz muito sucesso na América do Norte e na Europa. O serviço inclui faixas em áudio de alta resolução sem perdas, bem como Dolby Atmos Music, áudio espacial e Sony 360 Reality Audio. Quem é membro Prime ainda pode desfrutar do catálogo completo sem propaganda do streaming musical.

O plano individual custa R$ 16,90, o familiar sai por R$ 34,90 e o plano para único dispositivo custa apenas R$ 8,90 mensais. Todos os três planos permite um teste gratuito durante 30 dias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: