Mercado fechará em 3 h 9 min
  • BOVESPA

    110.312,37
    +171,73 (+0,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.775,39
    -99,52 (-0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,78
    +1,90 (+2,50%)
     
  • OURO

    1.889,30
    -41,50 (-2,15%)
     
  • BTC-USD

    23.660,06
    -129,61 (-0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    540,99
    +4,14 (+0,77%)
     
  • S&P500

    4.171,34
    -8,42 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.078,19
    +24,25 (+0,07%)
     
  • FTSE

    7.896,83
    +76,67 (+0,98%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.828,75
    -18,00 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5707
    +0,0810 (+1,48%)
     

Destaque da NASA: bela cascata de estrelas é a imagem astronômica do dia

A NASA selecionou nesta terça-feira (3) uma foto da Cascata de Kemble como Imagem Astronômica do Dia, em seu site Astronomycal Picture of the Day. Essa formação estelar recebeu o nome de um frei franciscano e astrônomo que a encontrou e descreveu em uma carta para um conhecido divulgador de astronomia amadora.

A linha de estrelas desenhada neste cenário não é exatamente uma constelação, mas um asterismo: um "desenho" formado por estrelas que não consiste em uma das 88 constelações reconhecidas pela União Astronômica Internacional (UAI) em 1922.

Embora alguns asterismos façam parte de uma constelação, ajudando a identificá-las — como é o caso das Três Marias, que ajudam a encontrar Órion, ou os irmão Castor e Pólux, que ajudam a encontrar a constelação de Gêmeos —, existem alguns formados por estrelas que não possuem nenhuma relação entre si.

Nesta imagem, vemos um ótimo exemplo de asterismo sem nenhuma constelação relacionada. Fraca demais para ser vista a olho nu, a Cascata de Kemble pode ser admirada apenas com a ajuda de instrumentos, como binóculos e telescópios.

O asterismo Cascata de Kemble foi descrito pela primeira vez por um frei franciscano (Imagem: Reprodução/Tommy Lease)
O asterismo Cascata de Kemble foi descrito pela primeira vez por um frei franciscano (Imagem: Reprodução/Tommy Lease)

Quem "descobriu" essa imagem no céu foi o astrônomo amador Lucian Kemble, um frei franciscano que enviou as informações para o divulgador Walter Scott Houston, descrevendo-a como "uma belíssima cascata de estrelas tênues descendo do noroeste até o aglomerado estelar aberto NGC 1502". Para encontrá-la, Kemble usou um par de binóculos 7×35.

Infelizmente, não podemos observar a cascata no hemisfério Sul, já que ela está localizada na constelação Camelopardalis, que mal aparece no hemisfério Sul (um pedacinho dela desponta no horizonte durante o verão). Cada uma das estrelas tem brilho semelhante, tornando a formação mais fácil de reconhecer para observadores no Norte.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: