Mercado fechará em 3 h 34 min
  • BOVESPA

    112.951,04
    -1.226,51 (-1,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.278,05
    +114,04 (+0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,08
    +1,07 (+1,32%)
     
  • OURO

    1.926,40
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    23.053,25
    -98,76 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,46
    +5,45 (+1,05%)
     
  • S&P500

    4.064,90
    +4,47 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.989,52
    +40,11 (+0,12%)
     
  • FTSE

    7.773,98
    +12,87 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.170,75
    +64,00 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5221
    +0,0024 (+0,04%)
     

Destaque da NASA: aglomerado estelar Plêiades é a foto astronômica do dia

Nesta segunda-feira (5), a imagem em destaque no site Astronomy Picture of the Day traz a beleza do aglomerado estelar Plêiades. Também conhecido como “Aglomerado das Sete Irmãs”, as estrelas ali podem ser observadas a olho nu até mesmo em lugares com poluição luminosa.

Dependendo da técnica usada para fotografar o aglomerado, é possível capturar não somente as estrelas dele, mas também a nuvem de poeira que as cerca. Na foto em questão, as estrelas das Plêiades se destacam por seu brilho, distribuídas em área com algumas vezes o tamanho da Lua na fase cheia.

Confira:

Aglomerado estelar das Plêiades fotografado do observatório Siding Spring, na Austrália (Imagem: Reprodução/Blake Estes (iTelescope Siding Spring Obs.) & Christian Sasse)
Aglomerado estelar das Plêiades fotografado do observatório Siding Spring, na Austrália (Imagem: Reprodução/Blake Estes (iTelescope Siding Spring Obs.) & Christian Sasse)

Alguns pesquisadores acreditam que uma das estrelas mais brilhantes das Plêiades acabou com brilho tão enfraquecido que acabou desaparecendo, deixando somente seis das suas sete “irmãs” visíveis a olho nu.

Entretanto, a quantidade de estrelas do aglomerado visíveis sem a ajuda de instrumentos pode ser menos ou até mais que sete, porque depende de fatores diversos, como a escuridão do céu e do próprio observador.

O aglomerado estelar das Plêiades

Localizado a cerca de 410 anos-luz da Terra, o aglomerado estelar das Plêiades (ou “Messier 45”) pode parecer ter apenas sete estrelas, mas não se engane: na verdade, ele abriga mais de 800 delas! O nome dele varia de acordo com as culturas — os tupinambá, por exemplo, o chamam de “Seichu”.

Este é um aglomerado estelar do tipo aberto, ou seja, contém um grupo de estrelas nascidas praticamente juntas de uma mesma nuvem gigante de gás e poeira. As estrelas mais brilhantes do aglomerado emitem brilho azulado, e foram formadas há cerca de 100 milhões de anos.

Já o nome do aglomerado tem suas raízes em uma antiga lenda da mitologia grega. Nela, as Plêiades são as filhas do titã Atlas e de Pleione, uma oceânide. Então, durante uma antiga guerra, Atlas se voltou contra Zeus, o senhor do Olimpo.

Como punição, este determinou que Atlas deveria sustentar o céu em seus ombros. As irmãs ficaram tão tristes com a sentença que Zeus permitiu que ficassem no céu, para se manterem próximas do pai.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: