Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.587,90
    +1.582,68 (+1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.535,37
    +245,46 (+0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +2,80 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    29.256,16
    -773,63 (-2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    652,20
    -21,17 (-3,14%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.825,00
    -53,25 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1486
    -0,0702 (-1,35%)
     

Dessalinizador revolucionário purifica água com o apertar de um botão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Pesquisadores do MIT, nos EUA, desenvolveram um equipamento portátil que dessaliniza e purifica água sem a necessidade de filtros convencionais ou bombas de alta pressão. O dispositivo do tamanho de uma mala pesa aproximadamente 10 kg e requer menos energia do que a fornecida por um carregador de celular para funcionar.

Segundo os engenheiros, ao contrário de outras unidades portáteis de dessalinização que exigem que a água passe por elementos filtrantes, esse aparelho inovador utiliza apenas energia elétrica para remover sais e partículas poluentes suspensas na água.

“Nossa invenção gera automaticamente água potável acima dos padrões de qualidade da Organização Mundial da Saúde. Além disso, essa tecnologia pode ser empacotada em um dispositivo amigável que funciona com um simples apertar de um botão”, explica o professor de engenharia elétrica Jongyoon Han, autor principal do estudo.

Sem filtro

Em vez de uma bomba de alta pressão que empurra a água através de filtros, o equipamento desenvolvido no MIT se baseia em uma técnica conhecida como polarização de concentração de íons — ICP, na sigla em inglês — que aplica um campo elétrico às membranas colocadas acima e abaixo de um canal de água.

Sistema ICP que usa eletricidade para purificar a água (Imagem: Reprodução/MIT)
Sistema ICP que usa eletricidade para purificar a água (Imagem: Reprodução/MIT)

Essas membranas especiais repelem partículas carregadas positiva ou negativamente — incluindo moléculas de sal, bactérias e vírus — à medida que passam pelo dispositivo. O processo remove esses elementos sólidos dissolvidos e suspensos, permitindo que apenas a água limpa passe pelo canal.

“Como o ICP nem sempre remove todos os sais que flutuam no meio do canal, nós incorporamos um segundo processo — conhecido como eletrodiálise — para retirar os íons de sal restantes no sistema. Embora algumas partículas carregadas possam ser capturadas pela membrana de troca iônica, é só inverter a polaridade do campo elétrico e as partículas carregadas são facilmente removidas”, explica Han.

Só um botão

O dispositivo foi projetado para ser usado por qualquer pessoa, bastando apenas apertar um único botão para iniciar o processo de dessalinização e purificação. Quando o nível de salinidade e o número de partículas poluentes diminuem para limites específicos, o equipamento notifica o usuário que a água está potável e já pode ser consumida sem riscos.

Dispositivo não requer a substituição de filtros, reduzindo a manutenção a longo prazo (Imagem: Reprodução/MIT)
Dispositivo não requer a substituição de filtros, reduzindo a manutenção a longo prazo (Imagem: Reprodução/MIT)

Esse primeiro protótipo consegue gerar aproximadamente meio litro de água potável por hora, gastando cerca de 20 watts de energia elétrica por litro. A ideia agora é ampliar essa taxa de produção para aplicações em redes maiores de distribuição, além de reduzir ainda mais o consumo de eletricidade.

“Essa tecnologia pode ser implantada em áreas remotas e com recursos severamente limitados, como comunidades em pequenas ilhas ou a bordo de navios cargueiros. Em escala maior, ela também poderia ser empregada para ajudar pessoas que fogem de desastres naturais ou por soldados que realizam operações militares de longo prazo”, encerra o professor Jongyoon Han.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos