Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,70 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,74 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.792,40
    -14,50 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    23.078,23
    -128,12 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,65 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,90 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -110,50 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2666
    -0,0739 (-1,38%)
     

Despesa do governo volta a crescer e supera nível pré-Bolsonaro

*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 13.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 13.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após a queda significativa provocada pelo fim de gastos extraordinários ligados à Covid em 2020, a despesa do governo Jair Bolsonaro (PL) incluindo juros voltou a crescer e atingiu 34,14% do PIB ao fim do primeiro trimestre.

O patamar supera o observado ao longo de todo o ano de 2018, no governo de Michel Temer --mostrando que a gestão Bolsonaro registra atualmente uma despesa superior à de quando assumiu o comando das contas públicas.

Os números foram publicados nesta sexta (15) no boletim do Tesouro Nacional sobre as estatísticas fiscais do governo referentes ao primeiro trimestre. Em comparação com o mesmo período do ano passado, houve um aumento de 5,35 pontos porcentuais.

De acordo com o Tesouro, o principal fator para a elevação da despesa observada é o aumento de gastos com pagamento de juros, que subiu de 6,13% para 9,14% do PIB no intervalo de um ano.

Esse aumento reflete o aperto monetário promovido pelo Banco Central, que teve início em março do ano passado, quando a taxa básica de juros (Selic) estava em 2% ao ano, menor patamar histórico.

Desde então, ela passou por nove altas consecutivas e chegou a 11,75% ao ano no fim do primeiro trimestre. Hoje, a Selic está fixada em 13,25% ao ano. O aumento dos juros impacta o quanto o Tesouro precisa pagar a investidores.

"O custo da dívida acompanha de certa forma essa elevação [da Selic], que vem acontecendo em função da inflação nos últimos meses", afirma Pedro Ivo Ferreira de Souza Junior, coordenador-geral de estudos econômico-fiscais.

O cenário tem feito o governo pagar as maiores taxas na emissão de novos títulos da dívida pública desde o fim do governo Dilma Rousseff (PT), afastada do cargo em maio de 2016 em um processo de impeachment.

As NTN-Fs (Notas do Tesouro Nacional - Série F) de dez anos, por exemplo, foram emitidas com juros de 13,4% no leilão de quinta-feira (14). A taxa é a maior desde 7 de abril de 2016 (quando ficou em 14,2499%) --às vésperas do afastamento de Dilma.

As maiores taxas cobradas do Tesouro se devem em grande parte à piora da percepção de risco dos investidores, que cobram mais caro para financiar o governo.

Também aumenta os gastos a própria expansão do estoque da dívida pública --movimento decorrente do desequilíbrio entre receitas e despesas. Para bancar o rombo nas contas, o país busca mais empréstimos e o tamanho da dívida supera R$ 5,7 trilhões.

Além das despesas com juros, impulsionou os gastos do governo no primeiro trimestre a expansão dos benefícios sociais, sobretudo com o pagamento do Auxílio Brasil.

A transferência do valor de R$ 400 para famílias elegíveis inscritas no Cadastro Único teve início em novembro, substituindo o Bolsa Família e sucedendo ao Auxílio Emergencial pago durante a pandemia de Covid-19. Em 2021, o valor médio do benefício era de R$ 250.

No primeiro trimestre, a fatia referente a benefícios previdenciários e sociais na conta de despesas do governo correspondeu a 12,93% do PIB, ante 11,62% no mesmo período em 2021.

As transferências feitas pelo governo a estados e municípios também ajudam nesse cálculo, considerando a melhora na arrecadação em 2022, com destaque para o aumento nos impostos sobre renda, lucros e ganhos de capital.

Para os próximos trimestres, o aumento da despesa do governo com benefícios sociais tende a crescer após a aprovação da PEC que turbina a concessão de auxílios a menos de três meses das eleições.

Entre as medidas previstas pela PEC, estão a elevação do piso do Auxílio Brasil a R$ 600, a criação de um auxílio a caminhoneiros de R$ 1.000 mensais e a duplicação do valor do Auxílio Gás para cerca de R$ 120. O custo total estimado é de R$ 41,25 bilhões, acima dos R$ 38,75 bilhões sinalizados originalmente.

Membros do Tesouro ainda não mensuram o impacto direto da PEC sobre as despesas futuras do governo. Mas o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou na quinta (14) que a situação fiscal do país não será prejudicada. "Contamos com receitas extraordinárias não orçadas e com arrecadação extraordinária ainda não orçada, em torno de R$ 57 bilhões, que cobrem exatamente a PEC de R$ 41 bilhões, mais a redução de impostos em torno de R$ 16 bilhões."

Além disso, a melhora na perspectiva para o PIB neste ano tende a melhorar o indicador de gasto. O governo elevou nos últimos dias a projeção de crescimento de 1,5% para 2%.

Por outro lado, o aumento dos juros continuará sendo uma realidade ao longo do ano em reação a uma inflação elevada e persistente. Em junho, o IPCA chegou a 11,89% no acumulado de 12 meses.

Nesse contexto, o BC sinalizou após a reunião do Copom de maio, que o ciclo de aperto monetário não acabou e indicou a estratégia de manter a taxa básica de juros em nível elevado por mais tempo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos