Mercado abrirá em 7 h 46 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,38
    +0,37 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.923,70
    -6,30 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    22.786,53
    -340,91 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,12
    -11,07 (-2,10%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.545,54
    -21,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    27.364,78
    +2,03 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.027,25
    -79,50 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5113
    -0,0084 (-0,15%)
     

Desmatamento na Amazônia cresce pelo quinto ano seguido e é o maior em 15 anos

O Sistema de Alertas de Desmatamento do instituto de pesquisa Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) reportou em 2022 um aumento pelo quinto ano consecutivo no desmatamento da Amazônia. A área total de floresta derrubada foi de 10.573 km², o maior número em 15 anos.

O número é equivalente a cerca de 7 vezes o tamanho do município de São Paulo. Quando calculada a taxa de desmatamento diário, 3.000 hectares foram devastados a cada 24 horas. O desmatamento acumulado nos últimos quatro anos ainda ultrapassa a área de dois estados brasileiros: os 35.193 km² de floresta perdida superam o tamanho de Alagoas e Sergipe (27 e 21 mil km², respectivamente).

2022 registrou uma crescente no desmatamento da Amazônia pelo quinto ano consecutivo. A área total desmatada é a maior nos últimos 15 anos (Imagem: Reprodução/Imazon)
2022 registrou uma crescente no desmatamento da Amazônia pelo quinto ano consecutivo. A área total desmatada é a maior nos últimos 15 anos (Imagem: Reprodução/Imazon)

Os estados mais afetados foram Pará (3.874 km²), Amazonas (2.575 km²) e Mato Grosso (1.604 km²), os mesmos desde 2019. Amazonas registrou o maior aumento em relação ao ano anterior, perdendo 25% mais floresta que em 2021.

Um desafio para o novo governo

Carlos Souza Jr., coordenador do programa de monitoramento, diz que “estamos alertando sobre o crescimento do desmatamento na Amacro [estados do Amazonas, Mato Grosso e Rondônia] pelo menos desde 2019. Porém, não foram adotadas políticas públicas eficientes de combate à derrubada na região, assim como em toda a Amazônia, resultando nesses altos números de destruição em 2022”.

A promessa do novo governo federal é priorizar a proteção da Amazônia, como indicam falas recentes do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas, Marina Silva. Uma das medidas anunciadas foi a criação de uma secretaria específica para parar a derrubada das florestas. Além disso, o Fundo Amazônia, que havia sido congelado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, foi reativado e voltou a captar recursos de países como a Alemanha e Noruega.

Desmatamento próximo a terra indígena no município de Careiro da Várzea (Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real)
Desmatamento próximo a terra indígena no município de Careiro da Várzea (Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real)

Bianca Santos, pesquisadora do Imazon, ressalta a importância de outras ações como a reestruturação de órgãos de fiscalização e a demarcação de terras indígenas. Dentre as áreas de proteção determinadas por lei, estas foram as que tiveram menor desmatamento.

Como funciona o monitoramento

O Imazon detecta os desmatamentos a partir de imagens dos satélites das séries Landsat (NASA) e Sentinel (Agência Espacial Europeia), ambas as fontes são públicas e qualquer pessoa pode fazer o download dos dados. O processamento das imagens é automático e os resultados são validados por analistas do instituto.

Outros sistemas de monitoramento, como o Deter do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), também usam metodologias semelhantes e chegaram à mesma crescente de desmatamento em 2022. Os dados do Deter são baseados em imagens dos satélites CBERS e IRS e somam 10.267 km² de área desmatada no último ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: