Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,06
    -0,47 (-1,03%)
     
  • OURO

    1.779,90
    -8,20 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    19.384,40
    -24,61 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,85
    +16,26 (+4,46%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.319,25
    +61,75 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3597
    -0,0149 (-0,23%)
     

Desmatamento eleva emissões no Brasil em 2019 e na pandemia

Simone Iglesias
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As queimadas e o desmatamento aumentaram as emissões de dióxido de carbono no Brasil nos últimos dois anos, o que abala os esforços do governo do presidente Jair Bolsonaro para recuperar a credibilidade do país para a proteção do meio ambiente.

As emissões subiram 10% em 2019, primeiro ano do mandato de Bolsonaro, após uma década de pequenas quedas ou estagnação, de acordo com relatório publicado na sexta-feira pelo Observatório do Clima. Dados preliminares da ONG mostram também aceleração da nova tendência de 10% a 20% em 2020, mesmo com a redução global da quantidade de CO2 produzida pelo transporte e atividade industrial em razão da pandemia.

“É um aumento bem expressivo, faz o Brasil ir na contramão da tendência mundial”, disse em entrevista Tasso Azevedo, ex-diretor do Serviço Florestal Brasileiro, que agora monitora o sistema que estima emissões de gases de efeito estufa para o Observatório do Clima. “Isso está basicamente associado ao desmatamento; o Brasil está se distanciando cada vez mais da meta do Acordo de Paris.”

O Ministério do Meio Ambiente não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

O Brasil tem sido alvo de críticas no cenário internacional nos últimos dois anos, em meio ao crescente desmatamento e focos de queimadas que destruíram partes da Floresta Amazônica e do Pantanal. Em junho, um grupo de investidores institucionais que administram cerca de US$ 3,7 trilhões em ativos enviou uma carta ao governo com a ameaça de deixar o país, a menos que houvesse melhora das métricas ambientais.

Desde então, o governo mudou de estratégia e agora convoca investidores para ajudar a Amazônia de formas não convencionais, como o programa Adote um Parque, em que é possível patrocinar a proteção de áreas da Amazônia. Integrantes do governo liderados pelo vice-presidente Hamilton Mourão também intensificaram esforços para convencer o mundo de que o Brasil se preocupa com o meio ambiente, em visita à floresta nesta semana com um grupo de diplomatas da Europa e da América Latina.

Aquecimento global

Os números do Observatório do Clima colocam o Brasil entre os maiores emissores de dióxido de carbono do mundo, atrás da China, EUA, Rússia, Índia e União Europeia. O desmatamento foi responsável por 44% das emissões do país no ano passado, seguido pela agricultura, com 28%.

Os brasileiros produziram 10,4 toneladas de CO2 per capita em 2019, acima da média mundial de 7,1 toneladas, segundo a organização.

Apesar da iniciativa do governo para mudar a percepção mundial sobre a política ambiental do país, Bolsonaro mantém um estilo combativo quando fala sobre o assunto. Em discurso na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas neste ano, o presidente minimizou a gravidade dos incêndios florestais, dizendo que são causados por caboclos e indígenas que “queimam seus roçados em áreas já desmatadas”.

Alguns integrantes do governo foram ainda mais longe. Em discurso em 2019, o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que uma frente fria em maio quando estava em Roma era uma evidência de que as teorias sobre o aquecimento global estão equivocadas: “Não acredito em aquecimento global”, disse o chanceler brasileiro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.