Mercado abrirá em 4 h 4 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,97
    -2,12 (-2,30%)
     
  • OURO

    1.800,70
    -14,80 (-0,82%)
     
  • BTC-USD

    24.048,76
    -632,11 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    571,65
    +0,37 (+0,06%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.515,45
    +14,56 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.524,00
    -53,75 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1906
    -0,0129 (-0,25%)
     

Desmatamento da Amazônia pode prejudicar combate ao aquecimento global

Carlos Nobre, pesquisador aposentado do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), estima que se o ritmo atual de desmatamento, degradação e queimada da Amazônia continuar, até 70% da floresta podem ser perdidos em 50 anos. O alerta veio durante uma mesa-redonda realizada no fim de julho, durante a 74º Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Em sua fala, Nobre observou que as florestas tropicais comportam mais de 400 bilhões de toneladas de carbono capturado da atmosfera, e a maior parte deste total está na Amazônia. “Só a perda de 50% a 70% da floresta amazônica jogaria na atmosfera 300 bilhões de toneladas de carbono”, disse ele.

A atual degradação e desmatamento da Amazônia podem impedir o cumprimento das metas do Acordo de Paris (Imagem: Reprodução/Vinícius Mendonça/IBAMA)
A atual degradação e desmatamento da Amazônia podem impedir o cumprimento das metas do Acordo de Paris (Imagem: Reprodução/Vinícius Mendonça/IBAMA)

Segundo ele, mesmo que as emissões de gás carbônico da queima de combustíveis fósseis sejam reduzidas até 2050, a degradação da Amazônia e de outras florestas tropicais faria com que o aquecimento global chegasse à marca de 2,4 ºC. Neste cenário, a região que hoje abriga a floresta acabaria com características bem diferentes daquelas que conhecemos hoje.

Ela teria poucas árvores, muitas gramíneas e arbustos, e perderia grande parte de suas funções. “A floresta se restringiria a áreas próximas dos Andes, onde a estação seca é muito curta e os volumes de chuva são maiores”, disse. Além disso, a floresta perderia também sua capacidade de absorção do carbono.

Por fim, Nobre lembrou que a comunidade científica já tem dúvidas se ainda é possível impedir que a Amazônia chegue ao chamado “ponto de não retorno”, nome dado ao processo em que a floresta é tão desmatada que se torna um ambiente com menos chuvas; através de um ciclo vicioso de queimadas, ela acaba cada vez mais seca.

“Pessoalmente, acho que isso é possível se conseguirmos restaurar o sul da Amazônia; dessa forma, a floresta conseguirá se regenerar”, sugeriu ele. Medidas diversas, como zerar o desmatamento da floresta até o fim da década e iniciar um programa de restauração em todo o sul dela podem contribuir para evitar que algo do tipo aconteça.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos