Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.025,78
    +1.147,25 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.992,96
    +318,13 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,79
    +0,51 (+1,13%)
     
  • OURO

    1.844,30
    +14,10 (+0,77%)
     
  • BTC-USD

    19.396,00
    +447,10 (+2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,12
    +6,71 (+1,79%)
     
  • S&P500

    3.679,45
    +10,44 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    30.068,98
    +185,19 (+0,62%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.494,50
    +40,25 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2334
    -0,0864 (-1,37%)
     

Desinformação online atinge eleitor dos EUA antes da eleição

Isabelle Lee e Sarah Frier
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com a eleição presidencial dos EUA mais próxima, os americanos ainda encontram informações incorretas online, especialmente no Facebook, e muitos acreditam no que lêem, de acordo com pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

A pesquisa SurveyUSA com mais de 3.000 eleitores registrados descobriu que 65% relataram ter encontrado desinformação política em seus feeds do Facebook. Um quarto deles relatou acreditar nas afirmações. Conduzida entre 14 e 19 de outubro, a pesquisa revelou que 85% dos eleitores registrados lêem que a votação pelo correio levará à fraude, com 35% acreditando nisso.

Facebook e Twitter têm trabalhado para conter a desinformação na reta final da eleição. Ambas as empresas se tornaram mais assertivas ao sinalizar postagens que violam suas políticas. O Facebook recentemente começou a retirar comentários que convocam as pessoas a acompanhar agressivamente as pesquisas no dia das eleições e bloqueou anúncios que desencorajam o uso de vacinas. Uma de suas medidas mais polêmicas foi limitar o alcance de um artigo do New York Post sobre o candidato Joe Biden, o que enfureceu os conservadores.

“Há uma emergência democrática acontecendo na América agora, e o Facebook está no centro dela”, disse Fadi Quran, diretor de campanha da Avaaz, grupo de ativismo online que encomendou a pesquisa. “O Facebook pode fazer rebaixamento das páginas que mais espalham notícias, chegando a milhões com informações incorretas, e eles podem mostrar correções para todos os expostos a essas mentiras.”

De acordo com a pesquisa, quase três quartos dos entrevistados foram expostos à alegação de que Biden está planejando retirar recursos da polícia, com 32% aceitando isso como um fato. Mais de 60% leram online que o presidente Donald Trump vai acabar com os benefícios sociais se for reeleito e 27% acreditaram nisso, de acordo com a pesquisa.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.