Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.261,62
    +12,64 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Desinformação no TikTok preocupa pesquisadores

A desinformação alcançou níveis alarmantes no TikTok, em especial porque o aplicativo é cada vez mais usado por adolescentes como um buscador, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (14) pela NewsGuard.

A organização realizou uma pesquisa no início de setembro sobre uma série de temas da atualidade, desde a invasão russa da Ucrânia até as vacinas contra a covid-19. Verificou que 20% dos vídeos mostrados nos resultados continham informações falsas ou enganosas.

Em um vídeo, por exemplo, uma jovem revela sua receita caseira para um "remédio que resolve tudo", a hidroxicloroquina, um controverso tratamento que especialistas já demonstraram ser ineficaz contra a covid.

De acordo com a NewsGuard, a "toxicidade do TikTok é agora uma ameaça significante pois as buscas no Google sugerem que o TikTok é cada vez mais utilizado pelos jovens (...) para encontrar informações".

"Em 2021, o TikTok superou o Google como o site mais popular do mundo, segundo o Cloudflare", acrescentou a empresa especializada em ferramentas de avaliação de sites de notícias e informações online.

"Nossa política estabelece claramente que não permitimos a desinformação nociva, incluindo desinformação médica, e removemos da plataforma os conteúdos que entram nessa categoria”, disse um porta-voz do TikTok ao ser contactado pela AFP.

O aplicativo também acredita que a metodologia do estudo é falha, porque extrai conclusões de uma pesquisa limitada.

juj/els/led/atm/dl/ic/am