Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,40
    -0,05 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.718,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    19.986,51
    -400,16 (-1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,63
    -8,49 (-1,83%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.877,85
    -134,30 (-0,75%)
     
  • NIKKEI

    27.160,32
    -150,98 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    11.539,75
    -2,00 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1150
    +0,0015 (+0,03%)
     

Desigualdade de renda no Brasil aumenta desde 2015, diz estudo

Estudo da FAPESP aponta que a desigualdade de renda no Brasil voltou a crescer desde 2015. Foto: Ueslei Marcelino / Reuters.
Estudo da FAPESP aponta que a desigualdade de renda no Brasil voltou a crescer desde 2015. Foto: Ueslei Marcelino / Reuters.
  • Estudo conclui que a desigualdade de renda no Brasil sobe desde 2015;

  • Pesquisadora apresentou alguns resultados preliminares do estudo durante palestra em agosto;

  • Desde 2015, a população com renda per capita inferior a um salário mínimo já chegou a perder cerca de 40% de seus rendimentos.

Estudo conduzido por pesquisadores do Centro de Estudos da Metrópole (CEM), apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), aponta que a desigualdade de renda no Brasil voltou a cresceu desde 2015, após décadas de um processo sustentado de inclusão social.

A professora do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e pesquisadora do CEM, Martha Arretche, apresentou alguns resultados preliminares do estudo durante uma palestra proferida no evento 'Escola FAPESP 60 anos: Humanidades, Ciências Sociais e Artes' em agosto.

Leia também:

“A partir de 2014 os governos começaram a reduzir o gasto com programas sociais elaborados no período anterior para proteger os mais pobres e, desde 2015, com o começo da crise no mercado de trabalho, o desemprego dobrou no Brasil”, afirmou a docente. "Nesse cenário, em que o desemprego e a pobreza cresceram e a proteção social caiu, os mais pobres foram os maiores perdedores”.

Segundo Arretche, desde 2015, a parcela da população com renda per capita inferior a um salário mínimo chegou a perder cerca de 40% dos rendimentos.

Em contrapartida, aqueles que tinham uma renda per capita de dois salários mínimo ou mais perderam menos.

*As informações são do Poder 360 e da FAPESP.