Mercado fechará em 31 mins
  • BOVESPA

    117.208,73
    +978,61 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.707,03
    -339,55 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,81
    +1,29 (+1,49%)
     
  • OURO

    1.727,40
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    20.235,20
    +143,40 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,86
    +0,45 (+0,10%)
     
  • S&P500

    3.798,93
    +8,00 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    30.398,12
    +81,80 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.699,75
    +59,00 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1165
    -0,0514 (-0,99%)
     

Compra da Figma pela Adobe por R$ 105 bilhões gera críticas no mercado

Adobe anunciou nesta quinta-feira (15) a compra da startup de design online por cerca de 20 bilhões de dólares (Getty Image)
Adobe anunciou nesta quinta-feira (15) a compra da startup de design online por cerca de 20 bilhões de dólares (Getty Image)
  • Figma é um editor online de gráficos vetoriais muito usado por designers

  • Plataforma possui versão gratuita para usuários

  • Internautas ficaram insatisfeitos pela aquisição feita pela Adobe

Profissionais da área da comunicação precisam desembolsar uma quantidade considerável de dinheiro para utilizar as plataformas da Adobe durante o trabalho. Atualmente, o pacote completo com todos os recursos da marca custa R$224,00 por mês.

Com o surgimento de novas ferramentas, designers e editores passaram a ter alternativas mais baratas (e até mesmo gratuitas) para desenvolver o processo criativo. Uma delas é a Figma, um editor online de gráficos vetoriais com ênfase na prototipagem de interfaces gráficas e estruturas de design de experiência de usuário, uma área que tem sido muito requisitada nos últimos anos.

No entanto, a felicidade dos trabalhadores não durou muito. A Adobe anunciou nesta quinta-feira (15) a compra da startup de design online por cerca de 20 bilhões de dólares (R$ 105 bilhões) para expandir seu portfólio de plataformas focadas em colaboração.

Criada em 2012, a Figma ganhou espaço no mercado a partir de uma plataforma baseada em nuvem. Através do recurso, equipes conseguem desenvolver seus projetos coletivamente ao mesmo tempo, desde a criação de itens gráficos à programação de aplicativos.

Atualmente, para quem trabalha com apenas dois editores em 3 projetos, a plataforma é gratuita. Para quem quiser adicionar pessoas ao projeto, pode pagar uma pequena quantia a mais, de acordo com a quantidade de pessoas.

Agora, os profissionais da área da comunicação estão preocupados com o fim da versão gratuita e com um possível aumento no preço do serviço. A palavra "Adobe" ficou entre os termos de destaque do Twitter entre a quinta e sexta-feira desta semana.

"Nossa, a Adobe comprar o Figma é um exemplo perfeito de como não se pode ser feliz no capitalismo", postou um perfil. "Empresas bilionárias comprando seus concorrentes por pura incapacidade de melhoras seus próprios programas… eu dou 6 meses para a Adobe começar a cobrar pelo Figma", opinou outra conta.

Veja o que as pessoas estão falando sobre o assunto