Mercado abrirá em 5 h 23 min

Designer cria aplicativo Sisterwave para mulheres viajantes

·2 min de leitura
Startup Sisterwave busca integrar serviços, hospedagens e troca de informação entre usuárias. (Getty Imagens)
Startup Sisterwave busca integrar serviços, hospedagens e troca de informação entre usuárias. (Getty Imagens)
  • Ideia da plataforma surge a partir de relatos de mulheres viajantes;

  • Sisterwave integra a conexão entre usuárias e a partilha de experiências;

  • Em operação há 3 anos, Sisterwave ganhou prêmios.

No ano de 2015, em viagem a Tailândia e ao Butão, a designer Jussara Pellicano encontrou o conceito de nômade digital, pessoas que viajam e se mantém por meio de empregos temporários online ou não, e decidiu adotar o estilo de vida.

E deu certo: durante noves meses de 2016 conheceu metade da América do Sul e parte da Europa. Nessa viagem Pellicano ouviu o relato de 'mochileiras' de que poderia ter uma plataforma de viagens destinada a mulheres.

Ao final de 2017, com a ideia do Sisterwave na cabeça, a designer se apresentou no Startup Weekend Women, de onde saiu premiada e determinada a começar o negócio. Além desta conquista, o Sisterwave também ganhou premiações da Organização Mundial de Turismo e do Ministério do Turismo

Leia mais

O propósito de conectar as mulheres viajantes está na rede de protetora que cada uma tem com a próxima. Segundo relato de Pellicano no jornal Folha de São Paulo, mulheres vêm coisas invisíveis aos homens, como que horas é recomendado estar de volta e quais caminhos evitar, por exemplo.

A designer define a Sisterwave como "uma comunidade de apoio para a mulher viajante". Para acessar a plataforma é necessário criar um perfil, onde é possível interagir com outras usuárias, buscar serviços e contratar hospedagens.

As operações da Sisterwave começaram em 2019 com o trabalho de fortalecimento de marca e conexão com os potenciais clientes. Com a chegada da pandemia do novo corona vírus foi preciso rever o planejamento da startup.

Para se manter atuante em meio ao distanciamento social imposto pela Covid-19, a Sisterwave implementou espaços de troca entre as usuárias, tours virtuais e o contato com pessoas locais experts dos destinos de viagem

Em três anos de atuação a plataforma não obteve aportes financeiros e opera por meio da assinatura das usuárias, verbas de editais e premiações. Hoje 22 mil mulheres integram a comunidade Sisterwave afim de ter uma experiência única em viajar e partilhar experiências e histórias.

Com informações do jornal Folha de São Paulo.