Mercado fechado

Desemprego na zona do euro sofre leve alta, a 7,8% em junho

·2 minuto de leitura
Sala de espera de uma agência de empregos na cidade de Dusseldorf, em 25 de agosto de 2017, ao oeste da Alemanha
Sala de espera de uma agência de empregos na cidade de Dusseldorf, em 25 de agosto de 2017, ao oeste da Alemanha

O desemprego na zona do euro ficou em 7,8% em junho, um mês marcado pelo avanço do desconfinamento na Europa - disse o Eurostat nesta quinta-feira (30), que também levou em consideração dados trimestrais do mercado de trabalho para poder avaliar o impacto do coronavírus.

Assim, o percentual de desempregados aumentou um décimo, até 7,8% em junho, em relação aos dados revistos do mês anterior. Hoje, há cerca de 12,7 milhões de desempregados nos 19 países do euro, segundo o Escritório Europeu de Estatísticas.

Depois de atingir 12,1% em meados de 2013, em meio à crise da dívida, o desemprego se recuperou gradualmente, mas a recessão estimada para 2020 deve voltar a destruir empregos.

A Comissão Europeia prevê um índice de desemprego de 9,6% para este ano.

Por país, Alemanha e Malta registraram o menor número de desempregados em maio (4,2%), enquanto a Espanha apresentou o percentual mais elevado em junho, com 15,6%, seguida da Grécia (15,5%, segundo números de abril).

O percentual de menores de 25 anos sem emprego progride meio ponto, até 17% em junho, nos 19 países do euro. Essa taxa aumenta para 40,8% no caso da Espanha.

Por sexo, o percentual de homens desempregados aumentou um décimo, a 7,4% em junho, quase um ponto a menos do que o das mulheres, que ficou em 8,3% (+0,2).

Os dados do Eurostat são baseados nos critérios do Escritório Internacional do Trabalho: pessoas que procuraram ativamente emprego nas quatro semanas anteriores e estão disponíveis para trabalhar nas duas semanas seguintes.

O confinamento fez uma grande parte dos inscritos nos serviços de desemprego não cumprir os requisitos, de modo que, para "refletir completamente" a situação, o Eurostat completou suas informações com dados trimestrais sobre o mercado de trabalho.