Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.196,89
    -103,15 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Desemprego recua para o menor nível desde 2016

Desemprego chegou ao menor nível desde janeiro de 2016
Desemprego chegou ao menor nível desde janeiro de 2016

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 9,1% no trimestre encerrado em julho, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quarta-feira. É o menor índice da série desde o trimestre encerrado em dezembro de 2015.

A falta de trabalho, porém, ainda atinge 9,9 milhões de pessoas, menor nível desde o trimestre encerrado em janeiro de 2016.

No levantamento anterior, do trimestre encerrado em junho, o desemprego estava em 9,3%, atingindo 10,1 milhões de pessoas. Na mínima da série histórica, registrada em 2014, a taxa chegou a 6,5%.

O contingente de pessoas ocupadas bateu recorde de 98,7 milhões. Já população subutilizada caiu para 24,3 milhões de pessoas. Já a população desalentada (que desistiu de procurar trabalho) caiu para 4,2 milhões. A taxa de informalidade foi de 39,8% da população ocupada, com 39,3 milhões de pessoas trabalhando na informalidade.

Com isso, o número de empregados sem carteira assinada foi o maior da série: 13,1 milhões.

O rendimento médio real habitual subiu 1,0% em julho em relação a junho, o terceiro avanço mensal consecutivo. Apesar disso, o indicador continua cerca de 6% abaixo dos níveis observados antes da crise do coronavírus.