Mercado fechará em 5 h 44 min
  • BOVESPA

    109.430,41
    +29,00 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,91
    -1,02 (-1,33%)
     
  • OURO

    1.791,60
    +10,30 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    17.019,85
    -237,54 (-1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,48
    -9,73 (-2,37%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.541,71
    -25,83 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.813,25
    +7,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5072
    -0,0262 (-0,47%)
     

Desemprego recua para 8,7%, mas vagas sem carteira assinada batem recorde

Desemprego vem caindo no ano; vagas informais ganham força a cada trimestre
Desemprego vem caindo no ano; vagas informais ganham força a cada trimestre

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 8,7% no terceiro trimestre deste ano, segundo informou o IBGE. Esta é a menor taxa desde o trimestre fechado em junho de 2015, quando ficou em 8,4%.

Houve uma queda de 0,6 ponto percentual na comparação com o trimestre terminado em junho (9,3%) e de 3,9 em relação ao terceiro trimestre de 2021 (12,6%).

“A taxa de desocupação segue a trajetória de queda que vem sendo observada nos últimos trimestres. A retração dessa taxa é influenciada pela manutenção do crescimento da população ocupada”, destaca Adriana Beringuy, coordenadora da Pnad.

Já a população desocupada ficou em 9,5 milhões de pessoas, menor nível desde o trimestre terminado em dezembro de 2015, caindo 6,2% (menos 621 mil pessoas) no trimestre e 29,7% (menos 4 milhões) no ano.

Destaque também para o número de empregados sem carteira assinada no setor privado - 13,2 milhões de pessoas. Foi o maior da série histórica, iniciada em 2012, tendo estabilidade no trimestre e elevação de 13% (1,5 milhão de pessoas) no ano.