Mercado fechará em 6 h 4 min
  • BOVESPA

    120.734,85
    +672,86 (+0,56%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.875,21
    +7,59 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,22
    -0,13 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.785,00
    -8,10 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    54.466,36
    -965,48 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.268,27
    +25,22 (+2,03%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,13 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    34.035,54
    -101,77 (-0,30%)
     
  • FTSE

    6.908,89
    +13,60 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.882,00
    -37,25 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6067
    -0,0953 (-1,42%)
     

Desemprego no Uruguai sobe para 10,7% em janeiro

·1 minuto de leitura
Mulher reage ao cansaço ao lado dos filhos, em Montevidéu, 19 de setembro de 2020, durante as restrições sociais para conter a pandemia

O desemprego no Uruguai ficou em 10,7% em janeiro, um aumento de dois décimos em relação a dezembro, informou nesta terça-feira (16) o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa, que se traduz em 192.000 desempregados, era menor em Montevidéu (9,9%) do que no resto do país (11,2%) e maior entre as mulheres (12,6%) do que entre os homens (9%).

O Uruguai teve um pico de 11,2% de desempregados em sua população economicamente ativa em outubro de 2020, o valor mais alto desde 2006, mas o indicador caiu ligeiramente desde então.

O relatório do INE indica, ainda, que a taxa de emprego - número de pessoas com trabalho em relação ao número de pessoas em idade ativa - cresceu ligeiramente em janeiro, atingindo 55,2% contra 54,9% em dezembro.

Outro indicador, incorporado no contexto de uma pandemia, é a incidência de teletrabalho efetivo.

Em janeiro, 9,9% dos ocupados declararam ter trabalhado remotamente na semana anterior. Esse valor diminuiu mês a mês entre abril de 2020, quando atingiu 19,3%, até setembro, quando caiu para 7,5%, mas aumentou ligeiramente desde então.

O INE frisa que desde abril, devido ao contexto das emergências sanitárias, em vista de ter realizado sua pesquisa por telefone e não pessoalmente, “os resultados destes meses não são estritamente comparáveis” com os obtidos segundo a metodologia anterior.

gv/mr/ap/mvv