Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.703,00
    -1.747,61 (-2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Desemprego no Brasil voltou a subir em janeiro para 14,2%

·1 minuto de leitura
Homem segura sua carteira de trabalho em uma feira de emprego em 2019, no Rio de Janeiro

O desemprego no Brasil subiu em novembro-janeiro, no início da segunda onda da pandemia no país, para 14,2%, depois de quatro quedas sucessivas que levaram o índice a 13,9% em outubro-dezembro, de acordo com dados oficiais publicados nesta quarta-feira (31).

Em novembro-janeiro de 2020, antes do registro do primeiro caso de coronavírus no Brasil, o índice de desemprego da maior economia latino-americana era de 11,2%, três pontos percentuais a menos que na atualidade.

O número de pessoas em busca de trabalho chegou a 14,2 milhões, 2,3 milhões a mais que um ano atrás, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que realiza suas pesquisas com base em trimestres móveis.

O IBGE explica que o último período analisado reflete ainda a influência positiva do fim de ano, já que "novembro e dezembro foram meses de crescimentos importantes" da ocupação.

A economia brasileira se contraiu 4,1% no ano passado, muito menos que o esperado no início da pandemia, graças ao auxílio emergencial pago a quase um terço da população para enfrentar os efeitos das medidas de confinamento.

Esse auxílio, no entanto, acabou em janeiro, quando a doença voltou a aumentar até sair de controle.

O país registra mais de 317.000 mortes de covid-19, com uma média em sete dias de mais de 2.700, quase quatro vezes maior que em janeiro.

js/jm/gma/aa