Mercado fechará em 5 h 50 min
  • BOVESPA

    124.845,85
    -829,48 (-0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.456,81
    -177,79 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,85
    +0,23 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.828,60
    -7,20 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    38.977,16
    -929,02 (-2,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,74
    -25,16 (-2,65%)
     
  • S&P500

    4.411,36
    -7,79 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.091,70
    +7,17 (+0,02%)
     
  • FTSE

    7.050,56
    -27,86 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.947,75
    -90,00 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0421
    +0,0016 (+0,03%)
     

Desemprego no Brasil se mantém em nível recorde de 14,7%

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Desempregados procuram emprego em São Paulo

A taxa de desemprego no Brasil se manteve no nível recorde de 14,7% no período fevereiro-abril, depois de três aumentos mensais consecutivos causados pela segunda onda da pandemia, de acordo com dados oficiais divulgados nesta quarta-feira (30).

No mesmo período do ano passado, quando o novo coronavírus registrou suas primeiras vítimas no país, a taxa de desemprego era de 12,6%.

Em números absolutos, havia 14,8 milhões de pessoas em busca de trabalho no período fevereiro-abril, quase 2 milhões a mais que há um ano, informou o instituto de estatística IBGE, que realiza seus estudos com base nos trimestres móveis.

O relatório mostra aumento na taxa de "subutilização" da força de trabalho (desocupados e pessoas com menos horas trabalhadas do que precisam), que em fevereiro-abril atingiu o recorde de 29,7%, diante dos 25,6% no mesmo período do ano passado.

O número de pessoas 'subutilizadas' atingiu 33,3 milhões, 4,6 milhões a mais do que há um ano.

O contingente de pessoas "desalentadas" (que deixaram de procurar trabalho por falta de oportunidades) manteve-se em torno de 6 milhões, estável em relação ao período janeiro-março deste ano, mas com um aumento interanual de 18,7%.

A economia brasileira teve uma retração no ano passado de 4,1%, e neste ano deve crescer cerca de 5%, segundo projeções oficiais e do mercado, que melhoraram nas últimas semanas principalmente por causa do dinamismo do setor agroexportador.

Se a dinâmica de recuperação e o avanço da vacinação se confirmarem, o número de pessoas que voltariam a procurar trabalho deve aumentar, segundo analistas.

E, nesse caso, "mesmo diante de uma expansão da ocupação, esta não deverá ser suficientemente forte para reduzir a taxa de desemprego", explica o IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

"Partindo-se da hipótese de que a força de trabalho já tivesse retomado o seu ritmo de crescimento anual para níveis similares aos registrados nos meses anteriores à pandemia (...), a taxa de desocupação apurada seria de 19,4%, bem acima da registrada no período (14,7%)", acrescenta o instituto.

js/jm/gm/bn

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos