Mercado fechará em 5 h 15 min
  • BOVESPA

    109.605,28
    -346,21 (-0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,90
    -0,57 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.893,00
    +2,30 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.756,42
    -378,36 (-1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,52
    -12,37 (-2,30%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.940,60
    +55,43 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.698,75
    +153,50 (+1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5940
    +0,0266 (+0,48%)
     

Desemprego no Brasil cai para 8,1% e chega ao menor índice em sete anos

Os números do desemprego no Brasil seguiram a tendência de queda e fecharam em 8,1% entre setembro e novembro do ano passado, o menor percentual desde abril de 2015, de acordo com dados oficiais divulgados nesta quinta-feira (19).

Os dados publicados pelo IBGE registraram a sexta queda trimestral consecutiva da taxa de desemprego.

Entre setembro e novembro de 2022, cerca de 8,7 milhões de pessoas procuravam emprego no país, 3,7 milhões a menos do que em 2021, detalhou o IBGE em nota.

A queda foi de 0,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior e de 3,5% em relação ao mesmo trimestre de 2021, quando a desocupação bateu 11,6%.

Segundo dados do IBGE, neste trimestre móvel havia no Brasil 99,7 milhões de ocupados, a maior quantidade desde que começou a série histórica, em 2012.

"Embora o aumento da população ocupada venha ocorrendo em um ritmo menor do que o verificado nos trimestres anteriores, ele é significativo e contribui para a queda na desocupação", disse Adriana Beringuy, coordenadora de pesquisas por amostra de domicílios do IBGE, citada no comunicado do instituto.

A taxa de informalidade diminuiu sutilmente a 38,9% em comparação com o trimestre anterior: 38,8 milhões de brasileiros trabalham na informalidade.

A renda real dos brasileiros aumentou 3% em comparação com o trimestre imediatamente anterior e 7,1% com o mesmo período do ano passado.

Gabriel Couto, economista do banco Santander Brasil, disse à AFP que o desemprego atual significa "uma dificuldade maior" para os empregadores encontrarem mão de obra, empurrando um "crescimento mais acelerado dos salários".

msi/pr/dga/mvv/am