Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.522,06
    -1,37 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Desemprego na zona do euro fechou setembro em 6,6%

O desemprego na zona do euro fechou o mês de setembro em 6,6%, contra 6,7% registrados em junho, julho e agosto (valor revisado, inicialmente medido em 6,6%), anunciou a agência europeia de estatística Eurostat nesta quinta-feira (3).

O índice de 6,6% constitui o menor nível de desemprego desde o início da série histórica, que começou em abril de 1998.

Para a União Europeia como um todo (ou seja, incluindo os países que não usam a moeda comum), o índice de desemprego estagnou em setembro em um mínimo recorde de 6%, o mesmo valor de agosto.

Quase 12,96 milhões de homens e mulheres estavam desempregados na UE em setembro nos 27 Estados do bloco, sendo 10,99 milhões deles nos 19 países que compartilham a moeda única.

Os jovens são particularmente afetados: o índice de desemprego dos trabalhadores com menos de 25 anos subiu para 14,6% em setembro na UE, de 14,3% em agosto.

A Espanha registrou a situação mais preocupante, com um desemprego em setembro que a Eurostat avaliou em 12,7%. O único outro país da zona do euro com desemprego de dois dígitos em setembro foi a Grécia, com 11,8%.

Das principais economias da zona do euro, a Alemanha registrou 3,0%, França 7,1% e Itália 7,9%.

As taxas mais baixas foram registradas na República Tcheca (2,2%) e Polônia (2,6 %).

Os dados da Eurostat se baseiam na definição de desemprego da Organização Internacional do Trabalho (OIT), centrada nas pessoas que buscaram ativamente trabalho nas últimas quatro semanas e estão disponíveis para começar a trabalhar nas próximas duas semanas.

ahg/meb/aa