Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.972,35
    -303,68 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Desemprego fecha em 14,2% no trimestre encerrado em janeiro e bate recorde

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
Alguns economista apontam que a situação econômica, na questão do emprego, possa melhorar apenas no segundo semestre
Alguns economista apontam que a situação econômica, na questão do emprego, possa melhorar apenas no segundo semestre
  • 14,3 milhões de pessoas estão sem trabalho

  • Número para o trimestre encerrado em janeiro é recorde

  • Ritmo de melhora na criação de vagas deve ocorrer apenas no 2º semestre

O desemprego no Brasil fechou o trimestre encerrado em janeiro em 14,2%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Já número de pessoas desempregadas ficou em 14,3 milhões. É a maior taxa já verificada para o período de novembro a janeiro.

Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. No último levantamento, referente ao trimestre encerrado em dezembro, a taxa de desemprego estava em 13,9%, com 13,9 milhões de pessoas sem trabalho.

O número de desocupados aumentou 2% e chegou a 86 milhões. Isso é 1,7 milhão de pessoas a mais no mercado de trabalho em relação ao trimestre encerrado em outubro.

Sinais preocupantes

Os últimos Indicadores mostram uma queda da atividade econômica e da confiança de empresários e consumidores neste começo de ano em meio ao agravamento da pandemia.

Alguns economista apontam que a situação econômica, na questão do emprego, possa melhorar apenas no segundo semestre, contando com uma vacinação mais rápida e menos incertezas econômicas. 

A média das projeções do mercado para o crescimento do PIB em 2021 tem sido revisada para baixo. Atualmente está em 3,18%.