Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,16
    +0,45 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.638,20
    +4,80 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    19.363,92
    +559,78 (+2,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,74
    +11,64 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.591,35
    +159,80 (+0,60%)
     
  • NASDAQ

    11.408,00
    +91,75 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

Desemprego é a maior preocupação dos brasileiros, mostra Ipec

De acordo com o Ipec, o desemprego é a maior preocupação dos brasileiros. Foto: Getty Images.
De acordo com o Ipec, o desemprego é a maior preocupação dos brasileiros. Foto: Getty Images.
  • Pesquisa do Ipec mostra que o desemprego é visto pelos brasileiros como o maior problema do país;

  • Levantamento mostra que a segunda maior preocupação é a corrupção e a terceira é a saúde;

  • Pesquisa aponta que 59% dos brasileiros preferem empregos de carteira assinada.

Dois levantamentos inéditos realizados pela Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica (Ipec), a pedido do Globo, mostram que o desemprego é visto pelos brasileiros como o maior problema do país, e que a maioria da população prefere empregos formais.

A primeira pesquisa foi realizada presencialmente em 128 municípios de todas as regiões do país. Dos 2 mil entrevistados, cerca de 43% disseram que o desemprego é um dos três desafios mais graves.

A segunda preocupação é a corrupção, apontada por 36% das pessoas ouvidas, enquanto a terceira é a saúde, escolhida por 33%.

Leia também:

O cenário era diferente há quatro anos, quando a saúde era colocada como a principal preocupação da população (46%). A mudança foi ocasionada por causa da pandemia de Covid-19, inflação e fome.

Já a segunda pesquisa do Ipec mostra que 59% dos entrevistados preferem trabalhar com carteira assinada.

Contudo, a taxa de informalidade continua alta (40%), com 39 milhões de pessoas nesta situação, que inclui os que trabalham por conta própria sem CNPJ e os trabalhadores familiares.

O levantamento foi realizado por meio da internet com 2 mil pessoas acima de 16 anos, que fazem parte das classes A, B e C.

*Com informações do jornal O Globo.