Mercado abrirá em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,88
    -0,40 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.712,40
    -3,40 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    49.093,68
    -1.836,34 (-3,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    984,99
    -2,22 (-0,22%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.598,32
    -77,15 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.604,75
    -77,00 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

Desemprego bate novo recorde e chega a 14,6% no trimestre encerrado em setembro

DIEGO GARCIA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 17.09.2019 - Desempregados enfrentam fila em busca de uma oportunidade de trabalho na 4° edição do Mutirão de Emprego, na sede do Sindicato dos Comerciários, centro de São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 17.09.2019 - Desempregados enfrentam fila em busca de uma oportunidade de trabalho na 4° edição do Mutirão de Emprego, na sede do Sindicato dos Comerciários, centro de São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A taxa de desemprego no trimestre encerrado em setembro atingiu 14,6%, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta (27). É a maior marca da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, que calcula a desocupação oficial do país desde o início em 2012.

Em termos absolutos, eram 14,1 milhões de pessoas em busca de uma vaga de trabalho. Em comparação com o segundo trimestre, houve um aumento de 1,3 milhão de pessoas. A alta representa um aumento de 10,2% frente ao trimestre anterior e de 12,6% em relação mesmo trimestre de 2019, quando 12,5 milhões declararam estar em busca de uma colocação.

Setembro foi o primeiro mês em que o valor do auxílio emergencial caiu para R$ 300. Em agosto, segundo especialistas, a perspectiva de redução do benefício já pressionava a taxa de desemprego no país.

Mais uma vez, outros parâmetros da pesquisa atingiram patamares inéditos, o que indica que o quadro real do desemprego no país pode ser bem pior do que o mostrado pela taxa oficial de desocupados.

Os desalentados, ou seja, que desistiram de procurar emprego por acreditarem que não vão encontrar uma vaga, somam agora 5,9 milhões, um recorde, e aumento de 3,2% (183 mil pessoas) na comparação com o trimestre anterior.

Analisando o desalento do mesmo período do ano passado, o quadro é ainda pior: alta de 24,7% (1,2 milhão de pessoas).

Os subutilizados – trabalham menos horas do que gostariam – subiram 3,9% (1,2 milhão) frente a junho e agora são 33,2 milhões de brasileiros. Comparando com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 20,9% (5,7 milhões).

A população ocupada também atingiu o patamar mais baixo da série histórica, com 82,5 milhões de brasileiros, queda de 1,1% (880 mil pessoas) frente ao trimestre anterior e 12,1% (11,3 milhões) com a mesma época do ano passado.

O nível de ocupação — taxa que calcula a proporção de pessoas ocupadas dentro da população em idade de trabalhar — também foi o mais baixo da série, chegando a 47,1%, queda de 0,8 ponto percentual quanto a junho e 7,7 p.p. frente a setembro de 2019.

A população fora da força de trabalho também atingiu o maior nível da série: são 78,6 milhões de brasileiros, 785 mil a mais que o trimestre anterior e 13,7 milhões frente ao mesmo trimestre de 2019.

Os indicadores do mercado de trabalho apresentam uma reação mais lenta aos efeitos da pandemia de Covid-19, que eclodiu em março no Brasil.

As medidas de isolamento social, adotadas para evitar a disseminação da doença, impuseram o fechamento de comércio e serviços, setores que mais empregam na economia brasileira.

Em paralelo, o governo adotou o pagamento do auxílio emergencial, num primeiro momento de R$ 600, para repor as perdas especialmente de trabalhadores informais.

Como as pessoas não foram em busca de emprego nesses momentos, a taxa de desemprego não refletia a real situação do mercado. Com a reabertura nos últimos meses e a redução do benefício, os indicadores passaram a retratar melhor a situação do mercado de trabalho.